31 de maio de 2021

ESPECULAÇÃO SOBRE O TEMPO

CIRES PEREIRA

Senhor imaterial das vidas humanas

Divindade colossal sem seguidores

Referência nada mensurável

Suserano que prescinde de bajuladores

Condutor dos (meus) tortos passos

ATÉ QUANDO ...

Contabilizaremos a quantidade de enfermos?

Naturalizaremos a absurda soma de óbitos?

Conformaremos com esta barbárie?

SOLIDARIEDADE MULHERES

Não há o que comemorar

São muitas as brasileiras agredidas

Insultadas e ofendidas

São muitos os homens agressores

Insultadores e ofensivos

COLAPSO

CIRES PEREIRA

Afinal, quem colapsou?

O país? Ou o seu Presidente?

Pra você!

Quantas vacinas você já tomou na vida?

E seus filhos? 

Provavelmente muitas não é mesmo?!

BOMBA BRASIL

Nada ocorre por ocaso, portanto pra tudo há uma explicação, o fato é que nestes 20 dias de março morreram mais pessoas que qualquer outro mês desde o início da pandemia. Mais de 35 mil vidas foram ceifadas e outras 25 mil serão perdidas até o 31 de março.

INACEITÁVEL

Seu juízo, loucura

Sua visão, cegueira

Seu conselho, tolice

HOSPITAL BRASIL

Cires Canisio Pereira

Enfermarias apinhadas

De tristes acamados

Leitos abarrotados

De enfermos sem os seus.

HOMEM

Cires Canisio Pereira

Não, não é verdade que todos se redimirão

Não, não é fato que todos sejam corrigíveis

É impossível que o mal desabite-se de todos!

Não, lamentável e previsivelmente não!

ESPERANÇA

CIRES PEREIRA

Os números que confirmam um quadro de calamidade pública são noticiados todos os dias. Infelizmente não são os mesmos números desde janeiro de 2020. Este quadro tem se agravado nos últimos três meses, dando contornos que chocam e geram um misto de desespero e impotência.

Desespero porque lutamos com um vírus que se modifica, tornando-o ainda letal. A ciência corre contra o tempo e tem, felizmente, nos dado muitas armas pra lidarmos com a situação, e a principal tem sido as vacinas.

A humanidade saberá conter a pandemia ainda em 2021, mas não erradicará o vírus. Provavelmente, não haverá em 2022 vítimas fatais da Covid, a não ser que não tenham podido ou querido se tratar. Novos fármacos e novas terapias tendem a ser ainda mais eficazes. As ciências médicas e a farmacologia evoluem numa velocidade inimaginável.

Enfim, sairemos mais fortes desta situação, sobretudo graças à comunidade científica e aos servidores da área da saúde. Mas lições precisam ser tiradas e há muito o que aprender e a ser corrigido. Pra início de conversa nesta direção, o nosso futuro e o futuro das novas gerações não deveriam ter espaço pra armas e guerras.

No mundo inteiro, os cidadãos e cidadãs deveriam, a partir de hoje, elencar alguns requisitos mínimos pra escolherem representantes políticos e gestores públicos, a saber: comprometimento com os direitos fundamentais do ser humano: vida, liberdade e acesso às condições dignas de existência; responsabilidade com o meio ambiente; respeito às diferenças de toda natureza e em todos os planos (local, regional, nacional e mundial) e uma postura anti belicista.

Esperamos sim, por um outro mundo! Que tiremos desta crise atual os ensinamentos que nos habilitem a lutar. Lutar até que este novo mundo se torne realidade.

MEU JARDIM

CIRES PEREIRA

Uma fartura de grama

Deitada e crivelmente verde

A Jabuticabeira que, hora ou outra,

Corresponde com suas doces filhotas pretas

Mas nem precisava se dar a este trabalho

Sua presença em meu jardim já me basta.

TEMPO

CIRES PEREIRA

Em tempos tirânicos

Nosso dever enfrentar

E vencê-los!

SER COLETIVO

Cires Canisio Pereira


Dai-me um pouco de sua atenção

Ouça-me com cuidado e respeito

Mas não me tome como arauto da verdade.

Trago-lhe minha versão dos fatos

Certamente parcial e tendenciosa.

Tenho orgulho da opinião que tenho

Comprova minha falibilidade.

TEIMOSIA

Cires Canisio Pereira


Nada de se prostrar

Resista à sujeição

Não aceite canga

Seja teimoso!

ABERRAÇÃO

Cires Canisio Pereira

O alojado no Palácio não passa de parido da crise

Este inominável se reivindica “Chefe Maior”

Diz comandar o “melhor” governo da história

Mas porta-se como chefe de turba “nonsense”

PRIVILÉGIO

Cires Canisio Pereira

O que é ser privilegiado?

É todo ser que é humano!

Somos criaturas? Somos!

Mas também somos criadores!

É GUERRA!

Inebrie-se de livros

Municie de letras

Mire-se nas palavras

Mate a preguiça

TEMPO HUMANO

Antes de irmos pra um além que nos é incógnito

Antes de deixarmos aqui que pouco conhecemos

Muito ainda precisamos fazer e temos ainda tempo.

Não abdiquemos de nosso sentido de existência.

O JUÍZO DA HISTÓRIA

Quando Lula foi denunciado pelo consórcio Polícia Federal e Ministério Público, a 13 Vara Federal, capitaneada pelo Juiz Sérgio Moro, não hesitou em acolhê-las, tornando o Ex Presidente Lula réu.

BEM

E o sol reaparece deste lado pra terra

Lambe com o seu brilho e nos aquece

Incontáveis são os tons esverdeados



Discutíveis, pelo menos pra os sensíveis,

as surpreendentes variações de vermelho

sob nossos pés e de azul sobre nossa cabeça



Pouco importa se é um riacho ou um mar

O líquido se meche e nos atrai e atenua

O calor que o astro maior nos trouxe



Tudo é superlativo nesta tela universal

E quando a luz se incumbe doutro hemisfério

Por aqui é a hora das estrelas e dela, a lua



É Impensável não se dispor a amar

É Incompreensível abdicar de adorar

É Inimaginável se eximir de vibrar



Boas companhias que jamais nos faltaram

Gratifique com aquele desavergonhado sorriso

E não ouse desobedecer a ordem de viver bem!

PORTUGAL, UM POUCO DA SUA HISTÓRIA.

Este pequeno país “trás os montes” com os seus quase novecentos anos de história soberana, passou por tudo que podemos imaginar. Já foi dominado pelos Romanos, árabes-muçulmanos, espanhóis e franceses e já foi dominador dos brasileiros, angolanos, moçambicanos e até alguns indianos e chineses.

PERGUNTAS QUE ESTARRECEM

CADÊ VACINA?

CADÊ OXIGÊNIO?

CADÊ HOSPITAL?

BRASIL DISTÓPICO

Emendas, emendas, emendas, cada vez mais emendas e, todas, piores, mas muito piores que o soneto. Tudo começou com um “golpe” e a escolha de alguém que sequer deveria ter tido o direito de se candidatar.

Este governo é um arremedo de um remendo que não vale um moeda de três reais. Um monstro com uma cabeça patética e cínica que empesteia o país, espalha excrementos provocando emanações nauseabundas e faz-nos prisioneiros de uma DISTOPIA.

O Brasil está sob uma DISTOPIA* que deixa filmes como “Apocalipse Now”, “O Livro de Elias”, “Mad Max”, “The Rain”, “O Poço” e “Parasita” nos chinelos.

Veja o “ministério de Bolsonaro” que tem comandado o país nestes dois anos, o grande escultor da DISTOPIA.

Pazuello, Teich, Queiroga, Damares, Regina Duarte, Ernesto, Guedes, Marcos Pontes, Fábio Faria, Lorenzoni, Braga Neto, Luiz Eduardo Ramos, André Mendonça, Tereza Cristina, Augusto Heleno, Milton Ribeiro, Abraham Weintraub, Ricardo Velez Rodrigues, Decotelli, Ricardo Salles, Flávia Arruda e outros.

Afirmar que esta turma é minimamente competente, bem intencionada e proba é escarrar na nossa cara e conspirar contra a razão

É preciso pôr fim a este governo!

Torço pra que a CPI do Senado conclua pela necessidade de um Impeachment e que o parlamento não se omita, pois não nos parece ser suportável esperar 2022. Se os indícios de ilegalidade não se comprovarem, tudo bem. E que continue o governo até que o derrotemos nas eleições de 2022. 

Os brasileiros no futuro, precisarão pressionar o parlamento pra que se aprove uma legislação que criminalize os cidadãos que forem flagrados fazendo apologia à ditadura militar entre 1964 e 1985 e a governos como este chefiado por Jair Bolsonaro. 

  

* DISTOPIA significa um lugar, num dado período, marcado por um regime político opressor em que os indivíduos ficam privados dos direitos básicos, como a liberdade e os meios dignos de sobrevivência.

MINAS

Minas em mim

Montes pedras

Verdes ramos

Cinzas galhos

FOSSE EU, O PRESIDENTE

Fosse eu o Presidente da República não descansaria enquanto não criasse o ambiente mais adequado pra enfrentar o vírus. O vírus não tem inteligência, mas avança, se multiplica e varia pelos espaços disponibilizados. 

O BRANCO VERDE AMARELO QUE NÃO QUER PRETO.

No país dos brancos, cristãos e liberais, muitos pretos, sempre pobres e periféricos, são chacinados em becos sem saídas, torturados em palafitas (e hipermercados) e confinados em jaulas. 

 Ahhh, quem dera, fossem tratados como os bichos?! 

 Mas não, aos olhos dos “bons e bem criados (e armados) homens”, não passam de ervas daninhas que precisam arrancadas do solo “és mãe gentil". 

A frase do “vice”, que sequer sabia o nome de um dos vinte e sete não brancos e ricos, é emblemática: “é tudo bandido”. 

 E mesmo que fossem “27 bandidos com fichas corridas”, deveriam ter sido detidos, ouvidos, mantidos ou não presos segundo a situação de cada, mas não “acusados, julgados, sentenciados e mortos por um policial numa fração de segundos. 

 Só faltaram os bracinhos e os punhos fechados pra o alto enquanto saltita feliz pela “bem sucedida operação” na “pátria amada, Brasil”. 

 Ao branco e rico, o devido processo legal, pois somos uma “nação civilizada e democrática”, mas aos pretos pobres e periféricos, a pena capital em batidas muito bem “mal planejadas”. Afinal de contas, vinte e sete corpos e meia dúzia de fuzis como saldo soa muito estranho. Ou não?! 

 Aqui nesta terra verde e amarela, pretos, pobres e periféricos sempre são vistos como suspeitos pelo bacana engomadinho e punidos pelos seus “leões de chácara” (fardados ou não) antes que se prove o contrário. 

 A vida que o sistema tem lhes proporcionado já configura uma sentença. Pra eles sobreviver é mais que um ato de resistência. Antes que morram, segundo aquela música, “correndo nos becos que nem ratazanas” e subindo em pedreiras que nem lagartixas”.

OS “SEM NOÇÃO”



Ainda são muitos os apoiadores deste vil e odiento governo Bolsonaro. Uma gestão que tem como referenciais as teses estapafúrdias de Olavo de Carvalho, o fundamentalismo neopentecostal como delineador de condutas , o fascismo como gestão política e o neoliberalismo como modelo econômico.

SONETO 01

16 de abril de 2021

Pensando bem...

Professor Cires

Bolsonaro leu com atenção o clássico de Nichollo Maquiavelli, “O Príncipe”. Sobretudo, o excerto em que o autor assevera, com os requintes de sempre, acerca da “virtu” que em síntese significa a capacidade do governante em se adequar às circunstâncias pra continuar à frente do poder que o coletivo lhe havia conferido.

Bolsonaro, neste ponto, tem aplicado relativamente bem o conselho de Maquiavel, mantendo Pazuello na pasta da saúde e atribuindo ao seu comandado todos os erros na condução da pasta em tempos pandêmicos. Bolsonaro sabe que os seus eleitores, cuja maioria padece de idiotia crônica, preferem responsabilizar o seu comandado e não ele. A todo momento, ouvimos por aí: “não podemos culpar o governo, temos que nos unir (e orar) pra enfrentar a crise”.

Com isso, Bolsonaro espera continuar com cacife eleitoral pra reeleger-se, garimpando votos de uma espessa fração do eleitorado, de pouca instrução, que crê no seguinte paradoxo: o governo e o ministro pazuello erram, mas Bolsonaro não tem culpa disto.
Trata-se de uma estratégia de risco calculado, mas é a única que ele no momento vislumbra.
Enfim, Bolsonaro sabe que parte do público instruído que colaborou pra o seu êxito está pulando fora da barcaça. Reforçam esta tese, as carreatas pelo impeachment neste domingo, conduzidas pelos movimentos direitistas “Vem pra rua” e “MBL”.

Em verdade lhes escrevo, Bolsonaro é um ex-oficial militar, egresso das hostes ultraconservadoras do oficialato e de viés inafastavelmente fascista. Todos os seus eleitores instruídos sabiam e sabem disto, portanto são responsáveis por uma lambança que impediu que vidas humanas fossem poupadas.
Não dá pra não fazer um balanço abdicando de imputar responsabilidades.

Bolsonaro é o Presidente da República e cometeu inúmeros crimes, é preciso removê-lo donde se encontra e joga-lo na cela, obviamente seguindo todo o processo que o Estado de Direito Democrático estabelece. E isto precisa ser feito imediatamente, pois mantê-lo lá implica em mais perdas humanas.

Pra enfrentarmo esta crise sanitária temos que remover do poder aqueles que, ao minimiza-la e/ou negá-la, se acumpliciam com o Coronavírus, afinal de contas este causa no máximo “uma gripezinha”.

LULA AGORA É FÊNIX

Prof Cires 

Não é mitológico, mas real. Luis Inácio não é mais um “LULA”, mas uma “FÊNIX”.

Cansou-se das profundezas do mar e agora sobrevoa os “brasis” castigado pela enfermidade, lesado por um desqualificado alçado à condição de presidente e enlutado pelos óbitos que poderiam ter sido evitados.

Uma “FÊNIX” de carne e osso e muito cérebro, que esbanja empatia e que, com a ajuda de todos e todas, pode conduzir a reconstrução deste gigante, hoje em estado distópico. 

Uma “FÊNIX” que reúne condições pra recolocar o trem nos trilhos e, principalmente, devolver a todos a tarefa de socorrer este país, valendo-se da ciência, do trabalho e da arte. 

O Brasil pode sim, voltar a ser de todos.

À “FÊNIX” resta somente provar que é honesta e bem intencionada. As suas supostas má intenção e desonestidades precisam ser provadas pelos seus acusadores. Mas, por favor, tragam provas e não aqueles armários embutidos de segunda linha e um barquinho mequetrefe de dois por dois.

Esta “FÊNIX” sabe, com sabemos, que a maio corrupção é aquela que provoca no outro miséria e os miseráveis do Brasil não são uma invenção da “FÊNIX”. 

E nada é melhor que esta “FÊNIX” pra liderar este combate. Não

Karl Marx 1818-1883



Há exatos 138 anos, faleceu em Londres, o maior e mais impactante pensador de todos os tempos, o alemão Karl Marx. É impossível ignorar sua vasta obra sobre a história, a sociedade, a filosofia, a economia e o ser humano, mesmo discordando integralmente dela.

Muitos debruçaram nos últimos 150 anos sobre sua obra, a grande maioria tem se aproveitado de seu legado. Quantos movimentos, quantas mudanças e até revoluções inspiraram-se em sua obra que tem como carro-chefe “O Capital”?!

As gerações futuras apropriar-se-ão de seus textos e compreenderão sua atemporalidade e farão deles a base de seus escritos, teses e práxis.

É dele a frase que sintetiza sua obra e ele próprio: “A desvalorização do mundo humano aumenta em proporção direta com a valorização do mundo das coisas” in “Manuscritos econômico-filosóficos”, em 1844

AS PANDEMIAS DE ONTEM E HOJE

Prof Cires

Hoje falei sobre pandemia. Numa das aulas que ministrei no curso da História Medieval. Refiro-me à pandemia que se abateu sobre os europeus em meados do século XIV, portanto a quase setecentos anos.

10 de março de 2021

RESOLUÇÃO PROVA DE HISTÓRIA 2ª FASE VESTIBULAR UFU MAIO 2019

PROFESSOR CIRES

PRIMEIRA QUESTÃO

O AI-5 (Ato Institucional número 5) é considerado por historiadores e por cientistas políticos como o mais duro golpe na democracia brasileira dos anos 1960 por ter dado poderes totalitários ao regime militar. Ele entrou em vigor em 13 de dezembro de 1968, durante o governo do general-presidente Artur da Costa e Silva.

Considerando-se as informações apresentadas, responda às questões abaixo.

A) Cite e explique cinco das determinações mais importantes do Ato Institucional número 5.

B) No contexto posterior à publicação do AI-5, os aparelhos policiais e militares de repressão ampliaram-se e se espalharam por várias cidades e estados brasileiros. Explique as principais funções e características do Doi-codi e do Dops nos chamados “Anos de Chumbo”.

RESOLUÇÃO PROVA DE HISTÓRIA VESTIBULAR UFU MAIO 2019

 Professor Cires Pereira


1 de fevereiro de 2021

Fosse eu, o Presidente do Brasil...

PROFESSOR CIRES  EM 09 DE JANEIRO DE 2021


Trata-se de uma provocação, não quero e 99,999999% também não querem que eu seja presidente do Brasil. Mesmo não querendo e podendo sê-lo, o que aqui escrevo bem que poderia ser aplicado pelo presidente atual, o que definitivamente não tem chances de ocorrer. Mesmo assim faço questão de tornar pública minha ideia.
Não hesitaria em decretar agora um “locktown”, pois é a única alternativa capaz de conter este previsível recrudescimento da pandemia em nosso país.

2021

CIRES PEREIRA

Será melhor se quisermos que assim o seja
Será maior se soubermos aproveitar todos os seus instantes.
Será diferente se refletirmos sobre nossa conduta.

“Porque a criatividade, generosidade e esperança são o que há de mais divino*


Prezados amigos, público aqui uma crônica escrita pelo meu amigo Hugo Rezende, exímio escritor, ex aluno. Ele dedica esta crônica a outro igualmente caro amigo e também professor Luís Bustamante.

Boa leitura pra todos!

INOMINÁVEL

CIRES PEREIRA

Detestável meliante
Abominável inconsequente
Absurdamente incorrigível!
Deplorável farsante
Execrável arrogante
Definitivamente insuportável!
Comumente pequeno e grotesco
Sempre patético e raso
Absolutamente dispensável!

BEIRUTE

CIRES PEREIRA

Sim, ela pertence aos libaneses, um presentaço dos fenícios que, tijolo por tijolo, edificaram a cidade mais bela de todas. E tudo começou no século XV antes de Cristo, portanto a 3.500 anos.
E quanto a Roma? Quanto a Bagdá? Paris e Londres? Não dá nem pra compará-las, pois sequer estas tinham nascido. Roma, a beira do Tibre data do século VIII antes de Cristo, Bagdá, entre o Eufrates e Tigre, foi fundada no século VIII depois de Cristo, Londres e Paris, com os seus mil anos, são as caçulinhas.

Brasilis

CIRES PEREIRA

Morenos, pardas e pretos
Pretas, morenas e pardos
Amarelos, vermelhas e brancas
Brancos, amarelas e vermelhos
Somos uma profusão de cores
Banhadas nas salobras e ocreadas águas dos ribeirões
Escaldados pelo sal que decanta do líquido oceânico.
Esculpidos pelas cachoeiras do continental terreno.

BRASIL DAS SILBRAS

 CIRES PEREIRA


Ora mastodôntico, ora virótico
As vezes isso, outras vezes aquilo
Sempre quase, nunca talvez
Dias carnaválicos, dias cinzísticos
Agora branquelo, logo enegrecido
Aqui caleidoscópico, ali monocromático
A alguns rígido, a outros flexível
Pra aqueles vermelhos, pra muitos anil
Surpreendente nem sempre, previsível quase sempre
Pra lá o aqui é atraso, mas pra aqui, lá é defasado
Eles nos pressionam, nós impressionamos
Chão de contrastes, terra de exclusão
Continental e largo, fino e desamparado
Tanto grosso e cascudo quanto sutil e suave
Calorento e amável, odiento e friento
Território tão largo e povo tão estreito
Mas às vezes igualmente largo
Seu SIL que canta merece o BRA que flama
Ainda que alguns pensem ser deles e (não) é!
Saibam que num porvir não muito distante
Ainda será nosso, o "Brasil das Silbras"

Lutemos pra que sejas!

CONDIÇÃO DO SER


CIRES PEREIRA
Mais que dizer, devo ouvir
Mais que fazer, deixe que o faça
Mais que escrever, preciso ler
Faço menos que leio
Escrevo aquém do que ouço
Digo menos do que se faz

FICA ASSIM

 CIRES PEREIRA

E fica por isso mesmo...

Governo apinhado de corruptos e arapongas
Parlamento carregado de arrivistas e fisiológicos
Policia que mata suspeitos, geralmente pobres e pretos
Magistrado que à luz do sol humilha o guarda
Procurador que pede pra prender suspeitos, mesmo sem provas de ilícitos
E fica por isso mesmo...

CENAS DO BRASIL

CIRES PEREIRA

Dez situações recentes que me habilita a concluir que o Brasil está se revelando um “paisinho de meia pataca”, ou se apequenando cada vez mais. Poderia enumerar dez vezes mais situações como estas, mas não quero tomar muito o tempo dos amigos e amigas.

01 - Os deputados estaduais piauienses, segundo medida da mesa diretora daquela Assembleia, poderão se tratar da Covid fora do Piauí, os cidadãos terão que bancar tudo.
02 - O Procurador Deltan Dallagnol cometeu erros, segundo o CNMP Conselho Nacional do Ministério Público, mas não será punido, pois os seus “erros” prescreveram. Obviamente que seria de pois de 41 postergações do próprio CNMP.
03 - O Desembargador paulista Eduardo Siqueira, flagrado humilhando o agente municipal em Santos, foi afastado de suas funções. Não precisará nem trabalhar, pois ganhará integralmente o salário.
04 - O Tribunal de Justiça do Rio e a Procuradoria Geral da República, ao contrário dos procuradores que investigam Flávio Bolsonaro, entendem que o Senador tem foro especial, logo as investigações sobre sua conduta deveriam ser suspensas.
05 - O STF mantém suspensa a ação contra o Senador tucano José Serra e sua filha. Não serão punidos, embora contra os mesmos as provas de ilicitude sejam robustas.
06 - O TRF1 decidiu pelo arquivamento do processo contra Michel Temer flagrado tentando obstruir justiça em conversas com os donos da JBS.
07 - O Presidente da Câmara Rodrigo Maia entende que a ameaça de Bolsonaro, que é reincidente, contra o jornalista não é suficiente pra se abrir um processo de Impeachment. Mais de 50 pedidos de abertura de processo contra bolsonaro estão parados na Câmara dos Deputados.
08 - Uma lista contendo o nome dos agentes públicos e professores que lutam contra o fascismo, bem ao estilo “Macarthista , foi elaborada por órgãos do governo, mas o STF se limitou a proibir que outras fossem feitas. Enfim, houve o crime contra o Estado de Direito Democrático, mas ninguém será punido.
09 - Mais de 118 mil mortos e 3.800.000 casos de Coronavírus no Brasil, mas o Ministério da Saúde continua não tendo um plano, sequer um Ministro da Saúde minimamente decente. E a maioria dos Estados e Municípios flexibilizando o isolamento social.
10 - O Ex ministro da Educação Weintraub ameaçou os Ministros do STF, sugeriu que devessem ser presos. Mas o ex ministro, não foi punido, sequer processo contra ele foi aberto. Como prêmio, passou a ocupar um cargo de chefia no Banco Mundial nos EUA.

PANDEMIA (QUEM SE IMPORTA?) E “VIDA A MIL” NO BRASIL

CIRES PEREIRA

De norte a sul e de cabo a rabo, as praias brasileiras estão lotadas, os bares estão entupidos de gente e festas tem por toda parte (até o sol raiar e enquanto a polícia não chega). É como se não houvesse pandemia.
Crise?!
Que crise?!
As vacinas estão ainda sendo testadas, mas a galera já está se sentido imunizada. Sabe aquela hipótese de que com 20% de acometidos numa região, se tem a “imunidade de rebanho”?
Então....
Ahhh, mas no Brasil que tanto se lê e se instrui, hipótese é o mesmo que postulado e pronto. Oba, então vamos nos espalhar e congregar porque aqui o Covid já deu o que tinha que dar, uhuuuu.
Nos hospitais e postos de atendimento a labuta dos homens e mulheres de branco continua a mil, muitos dos quais sacrificando seus tempos de descanso e se desdobrando pra darem conta da demanda que é ainda muito alta.
Estes mesmos de branco, além da fadiga de atenderem e salvarem vidas, não aguentam mais entoar o mantra (agora pra paredes): “usem máscaras, tentem guardar distância com os outros, evitem sair de suas casas, lavem as mãos”. Confesso que estou já cansado em fazê-lo, e olha que não passo de um reles professor.
Como dizem alguns: “Brasil tá osso, mas o brasileiro leva tudo na brincadeira”
Definitivamente a culpa pelos 4 milhões de casos oficiais (deve ser no mínimo o dobro), dos quais mais de 126 mil já morreram, não é só das autoridades pelo Brasil inteiro, muitos brasileiros são também culpados por esta que é a maior crise de todos os tempos no Brasil.
Todos que neste momento, reitero, estão por aí se encontrando nas praias, nos bares, nas festas, nos clubes e nas praças, estão preocupados com o momento e querem se “divertir” e não se preocupam com o “preço” a ser pago.
Quando interpelados por “chatos” como eu, dizem que “precisam viver”, que estão “reanimando a economia e gerando emprego” e que “ninguém tem nada a ver com suas vidas”, esta última um eufemismo pra uma paroxítona mais a partícula “se” iniciada com F.
E segue a “vida a mil aqui nos trópicos”, uma inflexão necessária do falecido cancioneiro cearense Belchior.
A pandemia não os fazem parar, até que... bem, parei por aqui!


Praia de de Ipanema domingo dia O6 de setembro
Imagem: Gabriel Bastos/Estadão Conteúdo

QUEM?

CIRES PEREIRA


Quem propõe armar a população?
Quem defende fechar o Congresso?
Quem quer a interdição de Ministros do STF?
Quem afirma que a OMS tem um “viés ideológico”?
Quem quer aproveitar o momento pra aprovar leis que agridem o meio ambiente?
Quem acusa os opositores deste governo de serem terroristas?

Brasil independente?!

CIRES PEREIRA

Vejamos:
Temos uma economia capitaneada pela atividade industrial geradora de bens com alto valor agregado e tecnologia 100 % nacional? Não!
A dívida pública nacional tem prazos de pagamentos tão dilatados e juros tão baixos quanto as dívidas públicas dos EUA, dos países europeus e do Japão? Não!

MEU TEMPLO

CIRES PEREIRA


Livros que exploro
Textos que degluto
Páginas que me impressionam

OPORTUNISMO NA POLÍTICA

CIRES PEREIRA

Nestes tempos eleitorais, são muitos os militares, policiais, jornalistas, artistas, celebridades, desportistas, lideranças religiosas e clérigos que se engajam na política visando a obtenção de vagas nos parlamentos municipais ou conduzir governos municipais.
Muitos destes candidatos sequer fazem ideia sobre os propósitos e as ideologias dos partidos que os abrigaram. Muitos destes partidos não passam de “legendas de aluguel”. Ainda assim, seguem firme, valendo-se de discursos pré-fabricados e emoldurados com frases de efeitos. Tudo pra persuadirem parte expressiva do eleitorado.
Este não é um fenômeno exclusivo do Brasil, em todos os cantos do mundo esta “política pequena” ganha espaços e vai minando as bases da Política com “P” maiúsculo.
Vitoriosos, tratam de agir segundo conveniências e pouco ou nada se importam com os princípios orientadores de seus partidos, tampouco com as promessas que fizeram pra terem os votos dos menos avisados.
Quem é responsável por esta lambança? Estes candidatos oportunistas ou os seus eleitores? Definitivamente, ambos são os responsáveis. O dramático nesta história é que esta situação já é predominante nos pleitos eleitorais mais recentes no Brasil.
Aos poucos a democracia é minada, afinal de contas os parlamentos e os governos tornam-se espaços de conluios e de toma-lá-dá-cá. Este tipo de político faz da política um meio de enriquecimento e de projeção pessoal, jamais um instrumento pra compreensão e solução dos problemas ou de atendimento às demandas mais justas da coletividade.
Em decorrência desta situação, os escândalos envolvendo gestores públicos e parlamentares tem sido cada vez mais recorrentes. Por isso, nas páginas dos jornais e dos sites de notícias, as ações do Ministério Público e os processos no Poder Judiciário dominam os espaços qud deveriam ser da “Política”.
Lamentavelmente, a judiciarização tem tomado conta da política e a politização e o parcialismo tem tomado conta das Polícias, dos Ministérios Públicos e dos Tribunais. Enfim, muita coisa precisa ser feita, muitos problemas enfrentados e muitos vícios superados.

ENQUANTO

CIRES PEREIRA
Enquanto bichos agonizam em meio ao fogo no Pantanal, “afortunados” se divertem em lanchas no litoral.
Enquanto pobres e pretos são espancados pela polícia covarde, desembargador covarde humilha policial.
Enquanto meninas são estupradas e engravidadas, cidadãos que se autoproclamam de bem pressionam pra que abortem.
Enquanto 135 mil brasileiros, em sua maioria pobres, perdem a vida pra o vírus, o presidente mantem um inepto general no comando da saúde do país.
Enquanto o desemprego e a miséria avançam, o governo se contorce pra que a ajuda emergencial não exceda os míseros 300 reais.

Enquanto houver no país uma maioria formada por passivos silenciosos e céticos que elegem pilantras aventureiros, este desgovernado país continuará sendo governado(sic) por pilantras e aventureiros. 

MORTIS IN BRASIS

CIRES PEREIRA
As árvores ardem em chamas
Os bichos agonizam no fogo
Pássaros não podem pousar
Nos ninhos dilacerados
Filhotes e ovos cremados
Homens e mulheres pobres
Desprovidos de empregos
Sobrevivem com migalhas
Lançadas pelo governo
Até quando não se sabe
Nas cidades cobertas pelas fuligens
Que voam das árvores consumidas
Pelas inclementes labaredas
Destruição e desolação povoam
Lá no campo, cá na cidade
Milhões de vítimas do vírus
Alcunhado de Chinês pelos vis
Muitas vidas subtraídas
Que poderiam ter sido salvas
Caso existisse governo
Uma realidade caótica
No curral dos coturnos
Na terra dos “bons e cristãos”
Em todos os quintos dos “brasis”
Que o raio preferiu não partir.


Vá!

CIRES PEREIRA

Não esmoreça
Não se curve
Não se esquive
Enfrente
Deblatere
Retruque
Não arrefeças
Não recue
Sequer hesite
Tens a razão
Com o lastro
Da realidade
Tens a utopia
Pensada por muitos
Desejada por outros tantos
Então vá!

BASTA

CIRES PEREIRA

Não hesite, transgrida!
Não negligencie, enfrente!
Não ignore, saiba!
Não camufle, escancare!
Não arrefeças, “peite”!
Não recue, avance!
Não murmure, grite!
Não contemporize, mude!
Não esmoreça, levante!
Não mitifique, compreenda!
Não complique, esclareça!
Não aceite, pense!
Não desanime, persevere!
Não dívida, adicione!
Não subtraia, multiplique!
À sua volta, o ceticismo
À sua frente, o establishment
E pessoas como você pra derrotar a ambos!

INFERNO

Brasil ardendo em brasas

Parece a ideia que temos do inferno

Mas se o inferno existe mesmo

Então Deus não é brasileiro


Quem tocou fogo por estas bandas?

Bandas apinhadas de cristãos

Teria sido os índios ou os sem terras?

Pra estes ditos cristãos é um ou outro.


Desconfio que tenha sido o capeta

Travestido de agricultor ou de boiadeiro

Suspeito que o capeta esteja com inveja

Destes endiabrados mortais de cá.


Fosse Dante, um brasileiro em 2020,

Usaria o dobro de papel e tinteiro

Pra descrever por inteiro o inferno

Que se revelou o espaço brasileiro.

Cires Canisio Pereira

SER HUMANO

Se a existência humana, fosse infinita,

Muito enfadonho seria

Deuses?! Não Os somos!

Damo nos por satisfeitos com os já criados.

Se não houvessem as perdas

Estranhíssimos seriam os ganhos

Se não sentíssemos a ausência

Pouco nos importaria a presença

Temos sido perfeitamente imperfeitos

Previsivelmente imprevisíveis

Racionalmente subjetivos

Melancolicamente felizes

Não quereria ter outra condição, senão a humana

Ainda que alguns tolos se vejam como Deuses.


Cires Canisio Pereira

HIPOCRISIA

Há quem se autoproclama democrático,

Contudo recorre à censura e às armas

Quando diante do opositor mais enfático

Há quem se diz defensor da igualdade,

Entretanto defende o sistema vigente

Que não funcionaria sem a desigualdade

Há quem se diz amante da liberdade,

Mas quando sua autoridade é ameaçada

Abusa de métodos com requinte de crueldade.

Há quem diz sobre si mais do que parece ser

Na maior parte de seu tempo enaltece seus feitos

Sempre antes de prometer o que não não vai fazer

Às vezes, quando observamos os outros e nos olhamos pelo espelho, os (e nos) encontramos

Afastemo-nos deles e, como eles, não sejamos.

SEM ...

 Sem Máscaras

Sem razão
Sem noção
Sem educação
Sem escrúpulo
Sem empatia
Sem zelo
Sem sentido
Sem base
Sem senso
Sem vergonha
Sem moral
Sem caráter
Sem tudo
Um nada.

CIRES PEREIRA

ESPECULAÇÃO SOBRE O TEMPO

CIRES PEREIRA Senhor imaterial das vidas humanas Divindade colossal sem seguidores Referência nada mensurável Suserano que prescinde de baju...