DIVAGAÇÕES SOBRE MIM

CIRES PEREIRA

Reconheço ter dívidas com o meu passado. 

Mas como se trata de um passivo impagável, me vejo incorrigivelmente grato por ele.

Enfim sou a colheita do que semeei e cultivei. 

Um complexo de virtudes e vicissitudes, reflexos de meus acertos e erros. 

Confesso que tenho errado mais que acertado, felizmente. 

Meus erros me compelem à reflexão, portanto não devem ser ignorados. 

Meus acertos não são outra coisa senão o resultado das lições que tirei à luz dos meus erros.

Pobre de espírito é aquele que pensa apenas nos “acertos” e que se deixa “embebedar” por estes seus (poucos) acertos e suas virtudes. 

Torna-se, portanto, prisioneiro de uma espécie de auto narrativa inverossímil.

A liberdade do ser humano depende de uma primeira condição, romper com a prisão imanente, aquela que o ser humano criou pra si mesmo. 

Ainda não estou livre da prisão que criei pra mim, contudo reconhecer sua existência é um passo importante pra me colocar no caminho sem volta da liberdade/felicidade.

Comentários