1 de setembro de 2019

CONTRA O ARBÍTRIO

Cinco fatos marcantes na história mundial que nenhum analista sério previu que pudessem acontecer nestes últimos anos. Fatos que destoam de uma realidade marcada por progressos tecnológicos, como o smartphone e a internet, políticos, como o Estado de Direito e a democracia liberal e cultural, como a liberalidade e o multiculturalismo.
1 - O regime teocrático imposto pelos Talebans no Afeganistão em 1996 e que perdurou até 2002;

2 - Os atentados nos EUA desferidos pela organização terrorista Al Qaeda, em 2001;

3 - A permanência de um regime autocrático que se auto intitula como socialista, tendo à frente Kim Jong-un, na Coreia do Norte.

4 - A vitória eleitoral e o governo de Donald Trump, nos EUA. Defensor de um agenda nacionalista, xenófoba e militarista que coloca em trava os esforços por um mundo multipolar e minimamente pacífico.

5 - A vitória eleitoral e o governo de Jair Bolsonaro, no Brasil. Defensor de um regressismo ultrajante, patriarcalista, ditatorial e homofóbico e de uma agenda econômica dita progressista, mas que não se desprende do liberalismo econômico do século XVIII.

Fatos e situações que precisam ser bem compreendidos pra que não sejam mais admitidos e tolerados pelos homens e mulheres de bem em todo o planeta.

Atentados com a magnitude daqueles em 2001, podem ocorrer novamente?

Sim!

Outro regime político igualmente refém de uma leitura fundamentalista e descontextualizada dos ditos “livros sagrados”, pode ser implantado novamente?

Provavelmente sim! Mirem-se no exemplo do Estado Islâmico implantado em territórios iraquianos e sírios nos últimos dez anos.

Se o povo coreano não derruba-lo, kim Jong-un pode usar pra valer o arsenal de guerra que dispõe?

Por suposto que sim! Os testes que promove e sua narrativa não podem ser encaradas como meras ameaças ou “mise en scène” de um tirano.

A permanência de Donald Trump à frente do governo dos EUA (ele é candidato à reeleição em 2020), mantém um ambiente internacional economicamente estagnado, socialmente muito desigual e propenso ao conflito?

Não paira qualquer dúvida sobre isto!

A permanência de Bolsonaro à frente do governo brasileiro pode dilacerar as bases democráticas do Estado Brasileiro até que um regime semelhante ao implantado pelos militares seja instalado no Brasil?

A considerar o que já foi feito em oito meses e o seu discurso marcadamente sugestivo a isto, não nos resta mais nenhuma dúvida.

Não sugiro que Trump e Bolsonaro sejam derrubados, ignorando os limites da “Democracia Liberal”, o que, obviamente, se aplica ao caso norte-coreano. Entretanto, algumas atitudes de ambos, frise-se que a narrativa oficial é também uma atitude, já são fatos determinados de falta de decoro do cargo e crime de responsabilidade. Lamentavelmente, os Parlamentos estadunidense e brasileiro não tiveram ainda coragem pra iniciar os processos de “impeachment”, como determinam as Constituições deles e nossa.

De resto o meu apelo pra que cidadãos e cidadãs do mundo inteiro sejam solidários e colaborem com nossa mobilização contra a barbárie e o arbítrio na Coreia do Norte, Brasil e EUA.

Nenhum comentário: