15 de novembro de 2017

UNESP 2018 1ª FASE: RESOLUÇÃO PROVA DE HISTÓRIA

Cires Pereira
Abaixo a resolução da prova de História (31 a 42 do Caderno 1) do vestibular UNESP 2018. Como previsto uma prova equilibrada, altamente seletiva e com textos pertinente aos temas propostos na questão.
31)
O mapa do Império Romano na época de Augusto (27 a.C. – 14 d.C.) demonstra

(A) a dificuldade das tropas romanas de avançar sobre territórios da África e a concentração dos domínios imperiais no continente europeu.
(B) a resistência do Egito e de Cartago, que conseguiram impedir o avanço romano sobre seus territórios.
(C) a conformação do maior império da Antiguidade e a imposição do poder romano sobre os chineses e indianos.
(D) a iminência de conflitos religiosos, resultantes da tensão provocada pela conquista de Jerusalém pelos cristãos.
(E) a importância do Mar Mediterrâneo para a expansão imperial e para a circulação entre as áreas de hegemonia romana.

Resolução: A Península Itálica é servida pelos mares Adriático a leste e Mediterrâneo a oeste, esta condição geográfica favoreceu a expansão do comércio entre Roma e o conjunto das ilhas da região além do norte africano e o Oriente Médio.

32) A migração de Maomé e seus seguidores, em 622, de Meca para Medina permitiu a consolidação da religião muçulmana que incluía, entre outros princípios,

(A) a recomendação de que os muçulmanos não escravizassem ou atacassem outros muçulmanos, pois eles pertencem à mesma irmandade de fé.
(B) a proibição de que os muçulmanos exercessem atividades comerciais, pois o manejo cotidiano de riquezas era considerado impuro.
(C) a proibição de que os muçulmanos visitassem Meca, pois o solo puro e sagrado dessa cidade deveria permanecer intocado.
(D) a recomendação de que os muçulmanos não limitassem seu culto a um só Deus, pois o criador multiplica-se em diversas formas e faces.
(E) a proibição de que os muçulmanos saíssem da Península Arábica, pois eles sofriam perseguições em outros territórios.

Resolução: Sempre houve uma recomendação ou aconselhamento (e não uma determinação) pra que muçulmanos não escravizassem outros muçulmanos, contudo nem sempre esta recomendação era seguida à risca em algumas regiões.
Leia o texto para responder às questões de 33 a 36
.
Em 1500, fazia oito anos que havia presença europeia no Caribe: uma primeira tentativa de colonização que ninguém na época podia imaginar que seria o prelúdio da conquista e da ocidentalização de todo um continente e até, na realidade, uma das primeiras etapas da globalização. 
A aventura das ilhas foi exemplar para toda a América, espanhola, inglesa ou portuguesa, pois ali se desenvolveu um roteiro que se reproduziu em várias outras regiões do continente americano: caos e esbanjamento, incompetência e desperdício, indiferença, massacres e epidemias. A experiência serviu pelo menos de lição à coroa espanhola, que tentou praticar no resto de suas possessões americanas uma política mais racional de dominação e de exploração dos vencidos: a instalação de uma Igreja poderosa, dominadora e próxima dos autóctones, assim como a instalação de uma rede administrativa densa e o envio de funcionários zelosos, que evitaram a repetição da catástrofe antilhana.

(Serge Gruzinski. A passagem do século: 1480-1520: as origens da globalização, 1999. Adaptado.)


33) A afirmação de que os primeiros traços da presença europeia na América foram “o prelúdio da ocidentalização” e “uma das primeiras etapas da globalização” é correta porque a conquista do continente americano representou

(A) a definição da superioridade militar e religiosa do Ocidente cristão e o início da perseguição sistemática a judeus e muçulmanos.
(B) a demonstração da teoria de Cristóvão Colombo sobre a esfericidade da Terra e o fracasso dos novos instrumentos de navegação.
(C) o encerramento das relações comerciais da Europa com o Oriente e o imediato declínio da venda das especiarias produzidas na Índia.
(D) o encontro e o choque entre culturas e o gradual deslocamento do eixo do comércio mundial para o Oceano Atlântico.
(E) o avanço da monetarização da economia e o lançamento de projetos de regulação e controle centralizado do comércio internacional.

Resolução: Dentre os principais efeitos da expansão ultramarina, destacam-se a Revolução Comercial e a Colonização europeia na América e Caribe. O primeiro vincula-se ao deslocamento do eixo comercial até então no Mediterrâneo para o Atlântico. E o segundo implicou no encontro de culturas pré-colombianas e a europeia. A primeira foi parcialmente destruída por conta das conveniências culturais e econômicas dos colonizadores europeus.

34) Os problemas ocorridos na colonização das ilhas do Caribe podem ser considerados “exemplares para toda a América”, pois geraram

(A) a identificação de uma grande oportunidade, para nativos e europeus, de conviver com outros povos e desenvolver a tolerância e o respeito a valores morais e culturais diferentes.
(B) o temor, nos indígenas, diante da ambição europeia e a percepção, pelos europeus, da dificuldade de estruturar o empreendimento colonial e manter o controle de terras e povos tão distantes.
(C) o início de um longo conflito entre os europeus e as populações nativas, que provocou perdas humanas e financeiras nos dois lados, inviabilizando a exploração comercial da América.
(D) a formação de uma elite colonial que recusava submeter-se às ordens das coroas europeias e dispunha de plena autonomia na produção e comercialização das mercadorias.
(E) o reconhecimento, pelos europeus, da necessidade de instalação de feitorias no litoral para a segurança dos viajantes e a aceitação, pelos nativos, da hegemonia dos conquistadores.

Resolução: As primeiras incursões e colonizações, mais circunscritas ao Caribe, foram para os europeus importantes, pois muitos erros de estratégia cometidos, não seriam cometidos no "Continente". Do mesmo modo, a violência empregada pelos conquistadores/colonizadores produziram temores que em certa medida facilitaram a conquista das áreas continentais.

35) As epidemias provocadas pelos contatos entre europeus e povos autóctones da América

(A) demonstraram o risco da expansão territorial para áreas distantes e determinaram o imediato desenvolvimento de vacinas.
(B) representaram uma espécie de guerra biológica que afetou, ainda que de forma desigual, conquistadores e conquistados.
(C) provocaram a interdição, pelas cortes europeias, da circulação de mulheres grávidas entre os dois continentes.
(D) foram utilizadas pelos nativos para impedir o avanço dos europeus, que contraíram doenças tropicais, como a febre amarela e a malária.
(E) levaram à proibição, pelas cortes europeias, do contato sexual entre europeus e nativos, para impedir a propagação da sífilis.

Resolução: Os nativos, ao contrário dos conquistadores e colonos, não tinham vivenciado epidemias como as ocorridas na Europa desde fins da Idade Média, logo não dispunham de uma proteção biológica pra enfrentarem as doenças que acompanhavam colonos na região. O percentual de letalidade entre os nativos era, portanto bem mais elevado.

36) “A instalação de uma Igreja poderosa, dominadora e próxima dos autóctones” contribuiu para a dominação espanhola e portuguesa da América, uma vez que os religiosos

(A) mediaram os conflitos entre grupos indígenas rivais e asseguraram o estabelecimento de relações amistosas destes com os colonizadores.
(B) aceitaram a imposição de tributos às comunidades indígenas, mas impediram a utilização de nativos na agricultura e na mineração.
(C) toleraram as religiosidades dos povos nativos e assim conseguiram convencê-los a colaborar com o avanço da colonização.
(D) rejeitaram os regimes de trabalho compulsório, mas estimularam o emprego de mão de obra indígena em obras públicas.
(E) desenvolveram missões de cristianização dos nativos e facilitaram o emprego de mão de obra indígena na empresa colonial.

Resolução: A Igreja católica estava passando por um revés importante naquela época devido aos movimentos protestantes, por isso havia perdido muitos fiéis para as novas designações religiosas cristãs. Pra compensar estas perdas, a Igreja estimulou as missões catequizadoras nas áreas colonizadas, sobretudo pelos portugueses, espanhóis e franceses. A encomienda, por exemplo, era uma forma compulsória de trabalho que consistia no trabalho dos nativos em troca da proteção, alimentação e instrução na fé católica.

37)

É correto interpretar a charge, que representa D. Pedro II e foi publicada em 1887, como uma

(A) demonstração da exaustão provocada pela diversidade de atividades exercidas pelo imperador.
(B) valorização do esforço do imperador em manter-se atualizado em relação ao que acontecia no país.
(C) crítica à passividade e à inoperância do imperador em meio a um período de dificuldades no país.
(D) denúncia da baixa qualidade da imprensa monárquica e de suas insistentes críticas ao imperador.
(E) celebração da serenidade e harmonia das relações sociais no país durante o Império.
 
Resolução: A passagem do Império para a República no Brasil decorreu de uma combinação de fatores, dentre os quais, o abolicionismo, o crescimento do protagonismo do generalato nas decisões políticas e a rejeição de grande parte da sociedade à permanência da monarquia no país. A charge corrobora com esta rejeição ao retratar o monarca que, aos olhos dos republicanos, encontrava-se cada vez mais alheio e impotente às mudanças sócio-econômicas em curso no Brasil.

38) Entre as manifestações místicas presentes no Nordeste brasileiro no final do Império e nas primeiras décadas da República, identificam-se

(A) as pregações do Padre Ibiapina, relacionadas à defesa do protestantismo calvinista, e a literatura de cordel, que cantava os mitos e as lendas da região.
(B) o cangaço, que realizava saques a armazéns para roubar alimentos e distribuí-los aos famintos, e o coronelismo, com suas práticas assistencialistas.
(C) a liderança do Padre Cícero, vinculada à dinâmica política tradicional da região, e o movimento de Canudos, com características de contestação social.
(D) a peregrinação de multidões a Juazeiro do Norte, para pedir graças aos padres milagreiros, e a liderança messiânica do fazendeiro pernambucano Delmiro Gouveia.
(E) a ação catequizadora de padres e bispos ligados à Igreja católica e a atuação do líder José Maria, que comandou a resistência na região do Contestado.


Resolução: O Movimento de Canudos, tendo à frente Antônio Conselheiro, e a liderança religiosa do Padre Cícero expressam o Nordeste Brasileiro no contexto da Primeira República, na passagem do século XIX para o século XX. O primeiro revela a face comumente contestatório dos populares da região que se sentia abandonados pelo governo central e o segundo o personalismo e a liderança eclesiástica, como traços marcante s da política brasileira.

39) A Nação terá em qualquer tempo o direito de impor à propriedade privada as modalidades ditadas pelo interesse público [...]. Com esse objetivo serão determinadas as medidas necessárias ao fracionamento dos latifúndios [...]. Os povoados, vilarejos e comunidades que careçam de terras e águas ou não as tenham em quantidades suficientes para as necessidades de sua população terão direito a elas, tomando-as das propriedades vizinhas, porém respeitando, sempre, a pequena propriedade.

(Artigo 27 da Constituição mexicana de 1917. Apud Héctor H. Bruit. Revoluções na América Latina, 1988.)

O artigo 27 da Constituição elaborada ao final da Revolução Mexicana dispõe sobre a propriedade de terra e

(A) contempla parcialmente as reivindicações dos movimentos camponeses e indígenas, por distribuição de terras.
(B) representa a vitória dos projetos defendidos pelos setores operários e camponeses vinculados a grupos socialistas e anarquistas.
(C) expõe o avanço do projeto liberal burguês e de sua concepção de desenvolvimento de uma agricultura integralmente voltada à exportação.
(D) restabelece a hegemonia sociopolítica dos grandes proprietários rurais e da Igreja católica, que havia sido abalada nos anos de luta.
(E) corresponde aos interesses dos grandes conglomerados norte-americanos, que se instalaram no país durante o período do porfirismo.

Resolução: A Constituição Mexicana, embora tenha sido o reflexo das intenções das lideranças moderadas da revolução de 1910, contemplava algumas cláusulas sociais, como por exemplo o fracionamento do latifúndio para o assentamento de camponeses e o restabelecimento das terras comunais indígenas, denominadas de Ejidos. Isto não significou a aplicação imediata da reforma agrária, que ocorrerá parcialmente no governo de Lázaro Cárdenas (1934-1940). Frise-se que grande parte das demandas populares, defendidas por Emiliano Zapata, foram ignoradas pelos "carrancistas" e "maderistas".

40) A corporação tem como objetivo aumentar sempre o poder global da Nação em vista de sua extensão no mundo. É justo afirmar o valor internacional da nossa organização, pois é no campo internacional somente que serão avaliadas as raças e as nações, quando a Europa, daqui a alguns tempos, apesar do nosso firme e sincero desejo de colaboração e de paz, tiver novamente chegado a outra encruzilhada dos destinos.

(Apud Katia M. de Queirós Mattoso. Textos e documentos para o estudo da história contemporânea:1789-1963, 1977.)

O texto apresenta características do movimento

(A) modernista.
(B) socialista.
(C) positivista.
(D) fascista.
(E) liberal.

Resolução: O texto revela e alude a dois traços característicos do fascismo: o corporativismo (organizações representativas de classes perdem suas autonomias perante o Estado) e o desejo em tornar este projeto num modelo para o mundo, via expansionismo/imperialismo/militarismo.

41) A participação norte-americana na Guerra do Vietnã, entre 1961 e 1973, pode ser interpretada como

(A) uma ação relacionada à defesa da liberdade, num contexto de expansão do anarquismo nos continentes asiático e africano.
(B) um recuo na política de boa vizinhança que caracterizou a ação diplomática e comercial dos Estados Unidos após a Segunda Guerra.
(C) a busca de recursos naturais e fontes de energia que ampliariam a capacidade de produção de armamentos nos Estados Unidos.
(D) o esforço de contenção da influência soviética sobre a China, o Japão e os países do Sul e Sudeste asiático.
(E) um movimento dentro da lógica da Guerra Fria, voltado ao fortalecimento da posição geoestratégica dos Estados Unidos.

Resolução: A ideia dos estadunidenses ao intervirem no conflito no Sudeste Asiático era conter o socialismo na região, representado pela guerrilha Vietcong que tinha os auxílios do bloco socialista e do governo Ho Chi Minh (Vietnam do Norte).

42) Em meados da década de 1970, as condições externas que haviam sustentado o sucesso econômico do regime militar sofreram alterações profundas.

(Tania Regina de Luca. Indústria e trabalho na história do Brasil, 2001.)

As condições externas que embasaram o sucesso econômico  do  regime  militar  e  as  alterações  que  sofreram  em  meados  da  década  de  1970  podem  ser  exemplificadas,  respectivamente,

(A) pelos investimentos oriundos dos países do Leste europeu  e  pelo  aumento  gradual  dos  preços  em  dólar  das mercadorias importadas.
(B) pela ampla disponibilidade de capitais para empréstimos a juros baixos e pelo aumento súbito do custo de importação do petróleo.
(C) pelos esforços norte-americanos de ampliar sua intervenção econômica na América Latina e pela redução acelerada da dívida externa brasileira.
(D) pela  ampliação  da  capacidade  industrial  dos  demais  países  latino-americanos  e  pelo  crescimento  das  taxas internacionais de juros.
(E) pela exportação de tecnologia brasileira de informática e pela recessão econômica enfrentada pelas principais potências do Ocidente.

Resolução: Os juros baixos e o crédito externo farto contribuíram para que houvesse no Brasil um forte crescimento das atividades econômicas, configurando o que se convencionou chamar de "Milagre Econômico". Contudo a elevação do preço do barril do petróleo no mercado mundial, conhecido como o "Choque do Petróleo", inverteu a situação. Os créditos minguaram, o volume de exportação aumento e provocando déficit comercial. Além disto, os juros aumentaram, gerando crescente endividamento do estado.

Postar um comentário