4 de junho de 2016

DEMOCRACIA TROPICAL

Cires Pereira
Muitas são as nações tropicais. 
Muitas são as democracias, das quais, muitas tropicais.
Terra Brasilis também, mas Brasil de Portugal e Algarves, não!!!
Dos Impérios e Regente? Também não !!! 
Republicano??? Alguns lampejos de democracia prudentemente ceifados.

Há 28 anos nossa democracia tropical, morena ou brasileira enfim "pariu" uma constituição. Texto complexo eivado de boas intenções, cuja materialização dependia da honestidade e coragem de seus mandatários. Coragem que faltou aos ilustrados que, pragmaticamente, curvaram-se à grita neoliberal.

Os trópicos acolheram um operário do norte e uma mulher da resistência e mostraram ao mundo que "seus filhos não fogem à luta por sua gentil mãe". Milhões foram incluídos e a desigualdade, amamentada pelos ilustrados de outrora, enfrentada e mitigada.

Os filhos ou crias dos ilustrados de outrora encontraram um meio, supostamente mais fácil, de retornarem ao "palácio". Valendo-se de uma "legal" denominação estrangeira, mas que em bom português, é GOLPE !!!

Por dois anos, diante de um governo retraído e sem rumo até pra se defender, lançaram às ruas milhões de verde-amarelos como se fossem os salvadores de uma pátria em crise e à deriva.
Subestimaram a reação dos tropicais que lutam por liberdade, pela democracia e por justiça social.

E são este mesmos tropicais que agora se vestem de múltiplas cores (nosso "trópico" é multicolorido) para a defesa de um mandato purgado por mais de 54 milhões de tropicais.

"Não Passarão" e a democracia haverá de ser grata aos tropicais de boa índole. Respirará e caminhará pelas matas, riachos, mares e casas em todos os "Brasis das gentes".


Postar um comentário