RETROSPECTIVA 2015: POLÍTICA

CIRES PEREIRA
Reunião do G 20 na Turquia

Um  ano de importantes encontros e resoluções multilaterais que reforçam ainda mais a tese de que a ordem mundial não pode mais ser regida por um ou por dois governos, a saber: Cúpula do G 7, na Alemanha 7ª Cúpula dos BRICS, na Rússia, Cúpula do G 20, na Turquia e a COP 21, em Paris.

No G7, seus membros além de discutiram a crise, especialmente o quadro grave na Grécia que teve que se reestruturar para receber um socorro financeiro da Zona do Euro. O grupo também se comprometeu a reestruturar o setor energético e a promover a diminuição dos índices de carbono na atmosfera.

Na Cúpula dos BRICS o mais importante foi a aprovação de um documento "Estratégia para uma Parceria Econômica do BRICS" que reforça a Carta de Fortaleza da 6ª Cúpula no Brasil. Nele estabeleceu-se um roteiro para o fortalecimento da cooperação entre os países do bloco. A Estratégia prevê atividades consideradas prioritárias entre os BRICS em temas como comércio, investimento, energia, mineração, agricultura, cooperação financeira, infraestrutura, educação, ciência e tecnologia, turismo e mobilidade laboral. 

Na Cúpula do G20, a questão do terrorismo foi central, por seu caráter recente e urgente, porém as resoluções oriundas desta preocupação se limitaram em repudiar aos atentados. Pouco se avançou na estruturação de uma ação conjunta e multilateral pra combate-lo. Novamente não se discuti os órgãos de representação internacional que continuam pouco legítimos

Na COP 21, os Ministros de 195 países aprovaram o "Acordo de Paris", primeiro marco jurídico universal contra o aquecimento global. O documento terá caráter "legalmente vinculante", obrigará todas as nações signatárias a organizar estratégias para limitar o aumento médio da temperatura da Terra a 1,5ºC até 2100 e preverá US$ 100 bilhões por ano para projetos de adaptação dos efeitos do aquecimento a partir de 2020. Trata-se do mais amplo entendimento na área desde o Protocolo de Kyoto, assinado em 1997.

O RECRUDESCIMENTO DO TERROR


Franceses protestam contra o atentado cometido pelo Estado Islâmico em Paris
Vários foram os atentados perpetrados pelas organizações que se reivindicam de uma leitura fundamentalista do Corão (livro sagrado dos muçulmanos). Organizações como o Boko Haram que atua no oeste do continente africano, sobretudo na Nigéria; o Al-Shabaab, que atua na Somália, Etiópia e Quênia; a Al Qaeda e o Estado Islâmico (Síria e Iraque).

Dispostos a combaterem o imperialismo ocidental e "tudo que possa causar danos às suas crenças", estas organizações tem recrutado no mundo inteiro voluntários para as suas "jihads". Os governos ocidentais, liderado pelos EUA procuram combatê-los valendo-se igualmente da força militar, contudo os resultados tem sido ainda pouco animadores.


O AVANÇO DA "DIREITA"

Europa, América do Norte e América do Sul foram os lugares onde a direita avançou de maneira mais consistente em 2015. 

Europa: A extrema direita consolidou-se na Dinamarca, Áustria, Bélgica, Polônia, Hungria e Suíça. Mas foram nas principais economias e maiores colégios eleitorais que o seu avanço mais foi sentido, como Inglaterra, França e Alemanha. Nas eleições para o Parlamento Europeu em 2014, nas eleições para o parlamento do Reino Unido, o UKIP (UK Independence Party) ainda mais. Nas eleições regionais francesas o grande vencedor no primeiro turno foi a Frente Nacional de Marine Le Pen com 30 % dos votos, felizmente perdeu na segundo turno, contudo tornou-se uma alternativa concreta de governo. Na Alemanha a Alternativa para a Alemanha (AFD), liderada por Björn Höcke, conseguiu realizar as maiores manifestações. Nesta tem sido muito dura contra os refugiados estabelecidos na Alemanha e destilado um preconceito contra os muçulmanos muito perigoso. A AFD já tem a simpatia de 10% do eleitorado alemão e tudo indica que deverá crescer mais ainda. 

EUA: O candidato mais bem colocado nas primárias do Partido Republicano, Donald Trump, tem criticado asperamente a imigração, a "deslealdade chinesa no comércio" e estimulado o preconceito contra muçulmanos. Em 2016, a disputa com Hillary do Partido democrata deverá ser muito acirrada e tudo pode acontecer.

América do Sul: Argentina e Venezuela foram os locais onde a direita colheu os resultados mais significativos. Na Venezuela muitos candidatos direitistas abrigados no MUD  foram eleitos para o parlamento venezuelano. O governo de Nicolas Maduro (chavista) a partir de 2016 terá pela frente um parlamento com 2/3 de oposicionistas. Na Argentina Mauricio Macri derrotou Scioli (apoiado por Kirchner) e deverá adotar uma política mais sintonizada com os credores e investidores, cortando as políticas sociais do peronismo kirchnerista e adotando uma gestão neoliberal. 

Maurício Macri - Novo presidente da Argentina
No Brasil, as manifestações pelo impeachment contra Dilma Rousseff tiveram uma contração, mas ainda preocupam o governo. Nelas há uma parcela majoritária de lideranças e organizações defensoras da política neoliberal que foram derrotadas nas últimas eleições e uma parcela minoritária de ativistas que flertam com a ideia de um retorno ao regime militar no Brasil como único meio para a superação da crise no país.
Postar um comentário

POSTAGENS MAIS LIDAS

UNESP 2017 RESOLUÇÃO PROVA HISTÓRIA 1ª FASE

"ESQUADROS" DE ADRIANA CALCANHOTO, UMA ANÁLISE

VESTIBULAR UNICAMP 2018 RESOLUÇÃO PROVA HISTÓRIA

ENEM 2016-2 DEZEMBRO RESOLUÇÃO CIÊNCIAS HUMANAS - HISTÓRIA

ENEM 2016-2 DEZEMBRO RESOLUÇÃO CIÊNCIAS HUMANAS - FILOSOFIA