24 de outubro de 2015

RESOLUÇÃO QUESTÕES DE HISTÓRIA - ENEM 2015

Professor Cires Pereira


Abaixo as resoluções das 19 questões de História da Prova de Ciências Humanas constituída por 45 questões. Lembro a todos que as questões foram extraídas do Caderno Azul.

05) A casa de Deus, que acreditam una, está, portanto, dividida em três: uns oram, outros combatem, outros, enfim, trabalham. Essas três partes que coexistem não suportam ser separadas; os serviços prestados por uma são a condição das obras das outras duas; cada uma por sua vez encarrega-se de aliviar o conjunto ... Assim a lei pode triunfar e o mundo gozar da paz. 

ALDALBERON DE LAON. In: SPINOSA, F. Antologia de textos históricos medievais. Lisboa: Sá da Costa, 1981. 

A ideologia apresentada por Aldalberon de Laon foi produzida durante a Idade Média. Um objetivo de tal ideologia e um processo que a ela se opôs estão indicados, respectivamente, em:

A) Justificar a dominação estamental/ revoltas camponesas. 
B) Subverter a hierarquia social/ centralização burguesas. 
C) Impedir a igualdade jurídica/ revoluções burguesas. 
D) Controlar a exploração econômica/ unificação monetária. 
E) Questionar a ordem divina/ Reforma Católica. 

Resolução: A sociedade na Europa Ocidental ao longo da Época Medieval foi definida dentro dos parâmetros do sistema feudal. A maioria encontrava-se dispersa no meio rural e subordinada a uma minoria constituída pelo Clero e pela Nobreza. A base desta hierarquização era a relação servil, a qual os camponeses submetiam-se aos nobres em seus domínios (feudos). O texto justifica esta realidade. As contestações sempre existiram, mas foi ao longo do século XIV que elas se intensificaram como exemplo podemos considerar as "jacqueries" no norte francês. 

06) A língua de que se usam, por toda a costa, carece de três letras; convém a saber, não se acha nela F, nem L, nem R, coisa digna de espanto, porque assim não têm Fé, nem Lei, nem Rei, e dessa maneira vivem desordenadamente, sem terem além disto conta, nem peso, nem medida.

GÂNDAVO, P. M. A primeira história do Brasil: história da província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos de Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2004 (adaptado).

A observação do cronista português Pero de Magalhães de Gândavo, em 1576, sobre a ausência das letras F, L e R na língua mencionada, menciona a 

A) simplicidade da organização social das tribos brasileiras. 
B) dominação portuguesa imposta aos índios no início da colonização. 
C) superioridade da sociedade europeia em relação à sociedade indígena. 
D) incompreensão dos valores socioculturais indígenas pelos portugueses. 
E) dificuldade experimentada pelos portugueses no aprendizado da língua nativa.
Resolução: Por mais que a Europa Ocidental estivesse vivenciando um processo de secularização do conhecimento graças ao Renascimento Cultural e ao Humanismo, os europeus careciam de instrumentos que pudessem a princípio compreenderem os valores dos povos nativos espalhados nas regiões recém-conquistadas. Pero de Magalhães de Gândavo é a mostra desta "incompreensão".

07) O principal articulador do atual modelo econômico chinês argumenta que o mercado é só um instrumento econômico, que se emprega de forma indistinta tanto no capitalismo como no socialismo. Porém os próprios chineses já estão sentindo, na sua sociedade, o seu real significado: o mercado não é algo neutro, ou um instrumental técnico que possibilita à sociedade utilizá-lo para construção e edificação do socialismo. Ele é ao contrário do que diz o articulador, um instrumento do capitalismo. A sua utilização está levando a uma polarização da sociedade chinesa. 

OLIVEIRA, A. A Revolução Chinesa. Caros Amigos, 31 jan. 2011 (adaptado) 

No texto, as reformas econômicas ocorridas na China são colocadas como antagônicas à construção de um país socialista. Nesse contexto, a característica fundamental do socialismo, a qual o modelo econômico chinês atual se contrapõe é a 

a) desestatização da economia. 
b) instauração de um partido único. 
c) manutenção da livre concorrência. 
d) formação de sindicatos trabalhistas. 
e) extinção gradual das classes sociais.

Levando-se em conta o socialismo idealizado por Karl Marx no século XIX, realmente o socialismo, como transição ao comunismo, caracterizar-se-ía pela "extinção gradual das classes sociais. Contudo o "socialismo real" adotado pela URSS de Stálin e pela China de Mao Tse-Tung e Deng Xaoping abandonaram a ideia de extinção das classes sociais ao ignorarem a construção do sistema comunista. No comunismo advogado por Marx as classes seriam extintas com o desaparecimento completo da propriedade privada dos meios de produção.

08) Até o fim de 2007, quase 2 milhões de pessoas perderam suas casas e outros 4 milhões corriam o risco de ser despejadas. Os valores das casas despencaram em quase todos os EUA e muitas famílias acabaram devendo mais por suas casas do que o próprio valor do imóvel. Isso desencadeou uma espiral de execuções hipotecárias que diminuiu ainda mais os valores das casas. Em Cleveland, foi como se um “Katrina financeiro” atingisse a cidade. Casas abandonadas, com tábuas em janelas e portas, dominaram a paisagem nos bairros pobres, principalmente negros. Na Califórnia, também se enfileiraram casas abandonadas.

HARVEY, D. O enigma do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

Inicialmente restrita, a crise descrita no texto atingiu proporções globais, devido ao(à) 

a) superprodução de bens de consumo. 
b) colapso industrial de países asiáticos. 
c) interdependência do sistema econômico. 
d) isolamento político dos países desenvolvidos. 
e) austeridade fiscal dos países em desenvolvimento 
Resolução: Desde o colapso da guerra fria e o estabelecimento de uma nova ordem mundial no início dos anos 90 a globalização econômica se intensificou, logo qualquer problema econômico na economia de um país central, como os EUA, o mundo não fica incólume aos seus efeitos. 

10) Iniciou-se em 1903 a introdução de obras de arte com representações de bandeirantes no acervo do Museu Paulista, mediante a aquisição de uma tela que homenageava o sertanista que comandara a destruição do Quilombo de Palmares. Essa aquisição, viabilizada por verba estadual, foi simultânea à emergência de uma interpretação histórica que apontava o fenômeno do sertanismo paulista como o elo decisivo entre a trajetória territorial do Brasil e de São Paulo, concepção essa que se consolidaria entre os historiadores ligados ao Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo ao longo das três primeiras décadas do século XX. 

MARINS, P.C.G. Nas matas com pose de reis: a representação de bandeirantes e a tradição da retratística monárquica europeia. Rev ista do LEB, n. 44, f ev . 2007.

A prática governamental descrita no texto, com a escolha dos temas das obras, tinha como propósito a construção de uma memória que 

A) afirmava a centralidade de um estado na política do país. 
B) resgatava a importância da resistência escrava na história brasileira. 
C) evidenciava a importância da produção artística no contexto regional. 
D) valorizava a saga histórica do povo na afirmação de uma memória social. 
E) destacava a presença do indígena no desbravamento do território colonial.

Resolução: O texto aborda o processo de construção de uma memória oficial sobre os bandeirantes, atrelando esse momento a expansão do território brasileiro desde São Paulo. Enfatiza a importância de São Paulo na época da República Oligárquica. Enfim, a figura do bandeirante foi usada com o propósito de reforçar a ideia do protagonismo paulista no Brasil.

11)

Os calendários são fontes históricas importantes, na medida em que expressam a concepção de tempo das sociedades. Essas imagens compõem um calendário medieval (1460-1475) e cada uma delas representa um mês, de janeiro a dezembro. Com base na análise do calendário, apreende-se uma concepção de tempo 

A) cíclica, marcada pelo mito arcaico do eterno retorno. 
B) humanista, identificada pelo controle das horas de atividades por parte do trabalhador. 
C) escatológica, associada a uma visão religiosa sobre o trabalho. 
D) natural, expressa pelo trabalho realizado de acordo com as estações do ano. 
E) romântica, definida por uma visão bucólica da sociedade
Resolução: As atividades humanas definidas pelas mudanças naturais, ainda que a Europa estivesse passando no "quatrocentto" por mudanças que passam a serem ditadas pelo tempo preciso dos ponteiros do relógio. A noção de tempo e o trabalho ainda era prisioneiros de uma visão tradicional que remonta ao longo período medieval. 

18) A Justiça Eleitoral foi criada em 1932, como parte de uma ampla reforma no processo eleitoral incentivada pela Revolução de 1930. Sua criação foi um grande avanço institucional, garantindo que as eleições tivessem o aval de um órgão teoricamente imune à influência dos mandatários. 

TAYLOR, M. Justiça Eleitoral. In: AVRITZER, L.; ANASTASIA, F. Reforma política no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2006 (adaptado). 

Em relação ao regime democrático no país, a instituição analisada teve o seguinte papel: 

A) Implementou o voto direto para presidente. 
B) Combateu as fraudes sistemáticas nas apurações. 
C) Alterou as regras para as candidaturas na ditadura. 
D) Impulsionou as denúncias de corrupção administrativa. 
E) Expandiu a participação com o fim de critério censitário

Comentário: A Justiça eleitoral foi criada em 1932, logo depois da ascensão de Vargas ao governo no Brasil que havia prometido alterá-la com o intuito de reduzir a ocorrência de fraudes nos escrutínios e na apuração dos votos. Hoje a justiça eleitoral está vinculada ao Poder Judiciário que, através do Tribunal Superior Eleitoral, preside os processos eleitorais no Brasil com isenção comprovada internacionalmente.

19) 


No período de 1964 a 1985, a estratégia do Regime Militar abordada na charge foi caracterizada pela 

A) Priorização da segurança nacional. 
B) Captação de financiamentos estrangeiros. 
C) Execução de cortes nos gastos públicos. 
D) Nacionalização de empresas multinacionais. 
E) Promoção de políticas de distribuição de renda

Comentário: A charge de Ziraldo remete-nos ao período em que o Brasil recorreu aos credores externos, especialmente o FMI e o Clube de Paris, para financiar o seu crescimento econômico que dependia de modo recorrente de recursos escassos no país. Houve assim um elevado endividamento. A DPMF cresceu entre 1970 e 1980 quase quatro vezes. Este endividamento elevado provocou uma alta vulnerabilidade de nossa economia aos "humores" da economia internacional, especialmente nos anos 80 quando o governo Sarney foi forçado a declarar moratório da dívida externa. 

20) Bandeira do Brasil, és hoje a única. Hasteada a esta hora em todo o território nacional, única e só, não há lugar no coração do Brasil para outras flâmulas, outras bandeiras, outros símbolos. Os brasileiros se reuniram em torno do Brasil e decretaram desta vez com determinação de não consentir que a discórdia volte novamente a dividi-lo!

Discurso do Ministro da Justiça Francisco Campo na cerimônia da festa da bandeira, em novembro de 1937. Apud OLIVEN, R. A parte e o todo: a diversidade cultural do Brasil Nação. Petrópolis, 1992.

O discurso proferido em uma celebração em que as bandeiras estaduais eram queimadas diante da bandeira nacional revela o pacto nacional proposto pelo Estado Novo, que se associa à 

A) supressão das diferenças socioeconômicas entre as regiões do Brasil, priorizando as regiões estaduais carentes. 
B) orientação do regime quanto ao reforço do federalismo, espelhando-se na experiência política norte-americana. 
C) adoção de práticas políticas autoritárias, considerando a contenção dos interesses regionais dispersivos. 
D) propagação de uma cultura política avessa aos ritos cívicos, cultivados pela cultura regional brasileira. 
E) defesa da unidade do território nacional, ameaçado por movimentos separatistas contrários á política varguista.
Comentário: O "unitarismo" era uma das estratégias do Estado Novo para reforçar o sentimento nacional e , ao mesmo tempo, conter as crescentes mobilizações regionais que poderiam evoluir para o secessionismo, com destaque para a Revolução Constitucionalista em São paulo no ano de 1932.

22) TEXTO I: Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a história, resistiu até o esgotamento completo. Vencido palmo a palmo, na precisão integral do termo, caiu no dia 5, ao entardecer, quando caíram os seus últimos defensores, que todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente cinco mil soldados. 

CUNHA, E. Os sertões. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1987. 


TEXTO II: Na trincheira, no centro do reduto, permaneciam quatro fanáticos sobreviventes do extermínio. Era um velho, coxo por ferimento e usando uniforma da Guarda Católica, um rapaz de 16 a 18 anos, um preto alto e magro, e um caboclo. Ao serem intimados para deporem as armas, investiram com enorme fúria. Assim estava terminada e de maneira tão trágica a sanguinosa guerra, que o banditismo e o fanatismo traziam acesa por longos meses, naquele recanto do território nacional. 

SOARES, H. M. A Guerra de Canudos. Rio de Janeiro: Altina, 1902. 


Os relatos do último ato da Guerra de Canudos fazem uso de representações que se perpetuariam na memória construída sobre o conflito. Nesse sentido, cada autor caracterizou a atitudes de sertanejos, respectivamente, como fruto da 

A) manipulação e incompetência.
B) ignorância e solidariedade.
C) hesitação e obstinação.
D) esperança e valentia.
E) bravura e loucura.

Resolução: O primeiro texto enaltece a resistência de um grupo menos preparado e menor do que as forças militares do Estado destacadas para contê-lo. O segundo texto enfatiza a resistência movida pela irracionalidade, comumente típica, dos mais empedernidos resistentes que são vistos como loucos.


23) TEXTO I: Em todo o país a lei de 13 de maio de 1888 libertou poucos negros em relação à população de cor. A maioria já havia conquistado a alforria antes de 1888, por meio de estratégias possíveis. No entanto, a importância histórica da lei de 1888 não pode ser mesurada apenas em termos numéricos. O impacto que a extinção da escravidão causou numa sociedade constituída a partir de legitimidade da propriedade sobre a pessoa não cabe em cifras. 

ALBUQUERQUE, W. O jogo da dissimulação: Abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2009 (adaptado). 

TEXTO II: Nos anos imediatamente anteriores à Abolição, a população livre do Rio de Janeiro se tornou mais numerosa e diversificada. Os escravos, bem menos numerosos que antes, e com os africanos mais aculturados, certamente não se distinguiam muito facilmente dos libertos e dos pretos e pardos livres habitantes da cidade. Também já não é razoável presumir que uma pessoa de cor seja provavelmente cativa, pois os negros libertos e livres poderiam ser encontrados em toda parte.

CHALHOUB, S. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Cia. das Letras, 1990 (adaptado). 

Sobre o fim da escravidão no Brasil, o elemento destacado no Texto I que complementa os argumentos apresentados no Texto II é o (a) 

A) variedade das estratégias de resistência dos cativos. 
B) controle jurídico exercido pelos proprietários. 
C) inovação social representada pela lei. 
D) ineficácia prática da libertação. 
E) significado político da Abolição

Resolução: O autor do texto II considera a inserção dos negros na sociedade, especialmente urbana como um homem já livre. A ideia também pode ser vista no primeiro texto, assim o decreto da abolição em 1888 pouco impacto teria econômica e socialmente, não fosse sua significação política.
24) A participação da África na Segunda Guerra Mundial deve ser apreciada sob a ótica da escolha entre vários demônios. O seu engajamento não foi um processo de colaboração com o imperialismo, mas uma luta contra uma forma de hegemonia ainda mais perigosa.

MAZRUI, A. “Procurai primeiramente o reino do político...”. In: MAZRUI, A.; WONDJI, C. (Org.). História geral da África: África desde 1925. Brasília: Unesco, 2010. 

Para o autor, a “forma de hegemonia” e uma de suas características que explicam o engajamento dos africanos no processo analisado foram: 

A) Comunismo / rejeição da democracia liberal. 
B) Capitalismo / devastação do ambiente natural. 
C) Fascismo / adoção do determinismo biológico. 
D) Socialismo / planificação da economia nacional. 
E) Colonialismo / imposição da missão civilizatória. 

Resolução: O envolvimento de alguns países já independentes e de colônias africanas na 2ª Guerra se deveu à necessidade de combaterem o avanço do fascismo sobre a região e em hipótese alguma a um alinhamento ao imperialismo do século XIX. O que estava posto para muitas destas resistências era a necessidade imperiosa de deter uma ideologia que era tambem amparada pelo supremacismo racial em favor do homem europeu e branco. 
28) O que implica o sistema da pólis é uma extraordinária preeminência da palavra sobre todos os outros instrumentos do poder. A palavra constitui o debate contraditório, a discussão, a argumentação e a polêmica. Torna-se a regra do jogo intelectual, assim como do jogo político. 

VERNANT, J. P. As origens do pensamento grego. Rio de Janeiro: Bertrand, 1992 (adaptado). Na configuração política da democracia grega, em especial ateniense, a ágora tinha por função 

A) agregar os cidadãos em torno de reis que governavam em prol da cidade. 
B) permitir aos homens livres o acesso às decisões do Estado expostas por seus magistrados. 
C) constituir o lugar onde o corpo de cidadão se reunia para deliberar sobre as questões da comunidade. 
D) reunir os exércitos para decidir em assembleias fechadas os rumos a serem tomados em caso de guerra. 
E) congregar a comunidade para eleger representantes com direito a pronunciar-se em assembleias.
Resolução: A democracia tem como amparo o debate envolvendo juízos divergentes dos cidadãos. A Ágora era o espaço usado para as reuniões e debates dos integrantes da assembleia (eclésia) nas cidades gregas (pólis).

29) No final do século XX e em razão dos avanços da ciência, produziu-se um sistema presidido pelas técnicas da informação, que passaram a exercer um papel de elo entre as demais, unindo-as e assegurando ao novo sistema uma presença planetária. Um mercado que utiliza esse sistema de técnicas avançadas resulta nessa globalização perversa. 

SANTOS, M. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2008. (adaptado) 

Uma consequência para o setor produtivo e outra para o mundo do trabalho advindas das transformações citadas no texto estão presentes, respectivamente, em:


a) Eliminação das vantagens locacionais e ampliação da legislação laboral. 
b) Limitação dos fluxos logísticos e fortalecimento de associações sindicais. 
c) Diminuição dos investimentos industriais e desvalorização dos postos qualificados. 
d) Concentração das áreas manufatureiras e redução da jornada semanal. 
e) Automatização dos processos fabris e aumento dos níveis de desemprego.
Resolução: A Nova Ordem Mundial teve início com o fim da "Guerra Fria". Os temores de convulsões revolucionárias contra o sistema capitalista foram mitigados e diluídos. Os empresários, sentindo-se mais seguros, intensificarem a aquisição de novas tecnologias que pudessem reduzir vagas nos processos de produção e de circulação. Valeram-se de novas tecnologias elevando ganhos e aumentando produtividade, ainda que houvesse retração tanto no percentual de mão-de-obra empregada quanto no consumo, uma das origens da atual crise econômica mundial.


35) Quanto ao “choque de civilizações”, é bom lembrar a carta de uma menina americana de sete anos cujo pai era piloto na Guerra do Afeganistão: ela escreveu que – embora amasse muito seu pai – estava pronta a deixa-lo morrer, a sacrificá-lo por seu país. Quando o presidente Bush citou suas palavras, elas foram entendidas como manifestação “normal” de patriotismo americano; vamos conduzir uma experiência mental simples e imaginar uma menina árabe maometana pateticamente lendo para as câmeras as mesmas palavras a respeito do pai que lutava pelo Talibã – não é necessário pensar muito sobre qual teria sido nossa reação.

ZIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Bom Tempo, 2003.

A situação imaginária proposta pelo autor explicita o desafio cultural do(a)

A) prática da diplomacia.
B) exercício da alteridade.
C) expansão da democracia.
D) universalização do progresso.
E) conquista da autodeterminação.

Resolução: A alteridade é um conceito necessário para a compreensão das relações entre sociedades distintas, incluindo eventuais conflitos entre as mesmas, neste caso EUA e Afeganistão. Não fazer uso deste conceito implica num juízo parcial, portanto equivocado, pois neste caso está desprovido da argumentação de um lado envolvido.
36)

Essas imagens de D. Pedro II foram feitas no início dos anos de 1850, pouco mais de uma década após o Golpe da Maioridade. Considerando o contexto histórico em que foram produzidas e os elementos simbólicos destacados, essas imagens representavam um 

A) jovem imaturo que agiria de forma irresponsável.
B) imperador adulto que governaria segundo as leis.
C) líder guerreiro que comandaria as vitórias militares.
D) soberano religioso que acataria a autoridade papal.
E) monarca absolutista que exerceria seu autoritarismo

Resolução: D. Pedro II no final dos anos 1840 enfrentou duas "provas de fogo": a "revolução praieira de 1848 e o parlamentarismo às avessas. Estas imagens tinham um claro propósito: reforçar a ideia de que o Brasil tinha um governante maduro, comedido o suficiente para respeitar o legislativo e a legalidade ou constitucionalidade.
37) No início foram as cidades. O intelectual da Idade Média – no Ocidente – nasceu com elas. Foi com o desenvolvimento urbano ligado às funções comercial e industrial – digamos modestamente artesanal – que ele apareceu, como um desses homens de ofício que se instalavam nas cidades nas quais se impôs a divisão do trabalho. Um homem cujo ofício é escrever ou ensinar, e de preferência as duas coisas a um só tempo, um homem que, profissionalmente, tem uma atividade de professor e erudito, em resumo, um intelectual – esse homem só aparecerá com as cidades.

LE GOFF, J. Os intelectuais na Idade Média. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

O surgimento da categoria mencionada no período em destaque no texto evidencia o(a) 

A) apoio dado pela Igreja ao trabalho abstrato. 
B) relação entre desenvolvimento urbano e divisão do trabalho. 
C) importância organizacional das corporações de ofício. 
D) progressiva expansão da educação escolar. 
E) acúmulo de trabalho dos professores e eruditos

Resolução: O Renascimento Urbano decorreu do renascimento Comercial europeu ao longo da Baixa Idade Média, nos espaços urbanos a diversificação das atividades econômicas estava umbilicalmente vinculada à expansão das atividades lucrativas, sobretudo a atividade comercial. O beneficiamento de matérias primas e de alimentos se desloca para os espaços urbanos que então se tornam um centro de confluência de profissionais com habilidades diversificadas, incluindo o intelectual. O texto de Jacques Le Goff alude a este fenômeno.
42) Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino. 

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

Na década de 1960, a proposição de Simone de Beauvoir contribuiu para estruturar um movimento social que teve como marca o (a) 



a) Ação do Poder Judiciário para criminalizar a violência sexual. 
b) Pressão do Poder Legislativo para impedir a dupla jornada de trabalho. 
c) Organização de protestos públicos para garantir a igualdade de gênero. 
d) Oposição de grupos religiosos para impedir os casamentos homoafetivos. 
e) Estabelecimento de políticas governamentais para promover ações afirmativas.
Resolução: Os protestos no mundo inteiro se intensificaram no final da década de 1960 sob as bandeiras da igualdade jurídica, da liberdade e da paz ou contra o belicismo recorrente. Em meio a estes, vários foram os extratos da sociedade que passaram a clamar pelo princípio da igualdade jurídica que se materializava na defesa da igualdade de gêneros. o movimento feminista passou a ter importante papel naquelas mobilizações num ambiente ainda patriarcal e machista.
44) A Unesco condenou a destruição da antiga capital assíria de Nimrod, no Iraque, pelo Estado Islâmico, com a agencia da ONU considerando o ato como um crime de guerra. O grupo iniciou um processo de demolição em vários sítios arqueológicos em uma área reconhecida como um dos berços da civilização. UNESCO e especialistas condenam destruição de cidade assíria pelo Estado Islâmico 

Disponível em: htto://oglobo.globo.com. Acesso em: 30 de mar. 2015 (adaptado)

O tipo de atentado descrito no texto tem como consequência para as populações de países como Iraque a desestruturação do(a) 

a) homogeneidade cultural 
b) patrimônio histórico 
c) controle ocidental 
d) unidade étnica 
e) religião oficial 
Resolução: A preservação do patrimônio histórico é uma das incumbências da UNESCO, órgão vinculado à ONU. Mais importante ainda, o patrimônio histórico, quando não preservado, desconecta os homens do presente com o passado e dificulta ou até impossibilita a compreensão das sociedades respectivas.
Postar um comentário