13 de junho de 2015

OBRIGADO, FERNANDO BRANT

CIRES PEREIRA
Fernando Brant (Outubro 1946 - Junho 2015) e Milton Nascimento
Os "Laços de fita amarela" deveriam ser colocados em todas as janelas de Minas. Sua paisagem, hoje vista destas janelas, está pálida. Um de seus meninos tornou-se estrela. Quantas são hoje as “Marias solidárias” com os seus rostos molhados ? "Maria, Maria" talvez seja o seu suor ? Hoje não. Hoje são os lamentos delas e deles e meus e de todo o “povo que mora no(s) vale(s)” ou nas “ponta(s) de areia” pelo nosso País. Lamentos que ecoam em“San Vincente”, lamentos das gente(s) que vem de Lisboa”.

Seu menino, "Oh Minas Gerais", nos deixou. Ficamos sem as "bolas de meia" e as "bolas de gude"? Não, isso não! O menino deixou-as de presente pra nós e para sempre. Este menino haverá de se encontrar com "Lennon" que tão cedo se foi por obra de uma bala, arremessada por um escroque, que não parou.

Nesta grande "feira não mais moderna", montamos "sentinela" para ouvirmos os cantos, hoje chorosos, de nosso“Bituca”, seu grande parceiro, e de Nana. Horta certamente pensou em evocar, audaciosamente, um de seus mais significativos personagens – o Manoel pra você, Fernando. Porque "Manoel" é seu! "Manoel" agora  nos pertence, pois grande é a sua generosidade, maior é o seu talento.

Os "peixinhos do mar", se pudessem, entoariam a "Canção da América", provando aos homens e mulheres que é possível sim guardar um amigo, você Fernando, no peito. 

"Oh telefonista", a palavra dele jamais morrerá! 

Fernando, o "cavaleiro marginal lavado em ribeirão", um dia belamente sentenciou, “os homens serão felizes como se fossem meninos”. Sem novas palavras tuas, ficaremos com aquelas que, em vida, você as trouxe como uma “fruta boa”, pois mesmo estando agora tão “longe, longe”, ouço (e sempre ouvirei) essa voz...”
A hora do encontro
É também despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida...
Encontro e despedidas 

Obrigado Brant, por tudo. Em tempo, haveremos de manter os dias "em nosso viver" Fernando.
Postar um comentário