RESOLUÇÃO PROVA DE HISTÓRIA 2ª FASE UFU MAIO 2015

PROF. CIRES PEREIRA

Prezados vestibulandos abaixo a resolução da prova de História do Vestibbular UFU 2ª fase aplicada no sábado dia 09 de maio de 2015. Houve predominância de temas associados à História brasileira, provavelmente por ter havido na 1ª fase a predominância de temáticas associadas à História Geral e à História da América. Caracterizou-se por perguntas mais objetivas: 1ª - a) "apresente"; 2ª -a) aponte e b) cite; 3 - a) cite e b) aponte e 4 - a) aponte e b) cite. Portanto, uma prova que se limitou à aferição pura e simples de conteúdos comumente adotados ao longo do ensino médio.




 RESOLUÇÃO:
a) Como afirmou José bonifácio "colocaria em risco a existência do governo", a "cessão" do tráfico provocaria defecções na base de sustentação social do governo D Pedro I constituída pelos setores mais tracicionais e abastados da elite agrária brasileira. Ao afirmar "as pessoas não estão preparadas para isso..", o autor sugere que a economia nacional, ainda prisioneira da época colonial, não suportaria um "trauma" provocado pela descontinuação do tráfico e, "a posteriori", do sistema produtivo amparado pelo trabalho escravo. 
b) Desde o início dos "oitocentos" o governo inglês gradativamente  adotava medidas que comprometiam o tráfico e a escravidão da mão-de-obra traficada, primeiro em seus domínios coloniais (Caribe e América) e, em seguida, nas economias que tinham crescentes laçõs com a economia britânica, como era o caso da economia brasileira. Não se pode ignorar a natureza da economia capitalista que se consolidou na Inglaterra na esteira do processo de industrialização que pressionava pelo crescimento das demandas de alguma forma vinculado à liberação da mão-de-obra nas economias abastecedoras de bens primários e consumidora de industrializados como era a economia brasileira.

RESOLUÇÃO:

A) Uma razão foi o crescimento das demandas internas que não acompanhava o crescimeto da produtividade, da produção e da oferta de bens e serviços no conjunto das economias industrializadas e capitalistas europeias. Outra razão, como bem explicado por Vladimir Lênin em seu Livro "O imperialismo, fase superior do capitalismo" publicado em 1916, foi o processo de concentração da economia sob o protagonismo das grandes empresas privadas dos ramos industrial e financeiro no que se convencionou denominar de passagem do modelo livre-concorrencial para o modelo monopolista e financeiro. 

B) Um conflito decorrente desta crescente corrida imperialista foi a grande guerra iniciada no verão de 1914 envolvendo os governos das principais economias imperialistas e/ou colonialistas. Pode-se citar os conflitos ensejados pelos povos dos lugares conquistados e colonizados por estes governos colonialistas como a "guerra dos Boêres" na região sul da África, disputada entre os priemiros colonizadores de origem holandesa e os ingleses, entre 1899 e 1902 e a "Revolta de Taiping" ocorrida entre 1851 e 1864 de caráter anti imperialista e com igrediente cultural-religioso, os revoltosos se lançaram contra o governo da Dinastia Manchu que se alinhara com as potências colonialistas ocidentais.  



RESOLUÇÃO: 

A) Um aspecto foi a resistência dos setores mais tradicionais e abastados das elites brasileiras quanto ao programa de reformas sociais do governo de João Goulart. Estes setores, liderados pela grande imprensa privada e pela UDN (União democrática Nacional), conseguiram atrair grande parte da classe média e do oficialato para uma oposição sistemática ao governo. Outro aspecto foi o desgaste do governo Jango frente aos setores progressistas e organizados da sociedade irritados com a morosidade na aplicação destas mesmas reformas de cunho popular. 

B) Duas formas de contestação foram, cada qual à sua época, predominantes: as manifestações de massa contra o golpe militar entre 1964 e 1968, as manifestações pela anistia em 1979 e as manifestações por eleições presidenciais diretas entre 1983 e 1984 e as lutas empreendidas pelos trabalhadores do campo e da cidade como o movimento sem terra no início dos anos 1980 e as greves nas grandes cidades do Brasil, envolvendo metalúrgicos, professores, bancários e petroleiros.


RESOLUÇÃO:
A) A desaceleração dos investimentos em razão da pressão sobre os custos de produção associados ao 2º "choque do Petróleo" na passagem dos anos 70 para os anos 80, este motivado pelas tensões no Oriente Médio e pela "revolução iraniana" de 1979. 
A fuga de capitais das economias periféricas que implicou em desvalorização do câmbio, elevação dos juros e aumento do endividamento público nacional.
B) No final dos anos 1950 a economia internacional passava por mais um ciclo virtuoso o que estimulava as exportações brasileiras e a crescente presença do estado na economia brasileira através das inversões governamentais na infraestrutura nacional, principalmente em energia e transportes.
0