O APRENDIZADO BASEADO EM PROBLEMAS (PROBLEM-BASED LEARNING - PBL)

Monique Martins*


*Monique Martins é formada em Ciências Biológicas pela UFG (Universidade Federal de Goias) e cursa o primeiro período de Medicina no Centro Universitário Patos de Minas.


Para quem presta vestibular para o curso de Medicina já ouviu falar que algumas instituições aderiram ao PBL. Mas o que significa e qual a diferença entre o método tradicional? É melhor?

O PBL é um tipo de Metodologia Ativa, baseada nas Diretrizes Curriculares Nacionais da Medicina, em que o aluno sai da passividade e das aulas exclusivamente expositivas para agente, ao tornar-se responsável por seu estudo e aprofundamento. Do contrário do método tradicional, os professores que atuam como tutores (ou facilitadores) nos grupos têm a oportunidade de conhecer bem os estudantes e de manter contato com eles durante todo o curso. Nas aberturas das tutorias são analisados conhecimentos prévios, discussões sobre o tema, geração de hipótese. Já nos fechamentos o aluno já teve que estudar a fundo e verificar se as hipóteses estavam certas ou erradas, é o momento crítico e reflexivo do aluno. Além disso, os grupos tutoriais favorecem o desenvolvimento de outras habilidades, como comunicação, trabalho em equipe e solução de problemas. 

Os estudantes de medicina bem como os vestibulandos do curso de Medicina tem tomado conhecimento que uma nova metodologia no ensino-aprendizagem de Medicina está sendo aplicada em algumas faculdades pelo Brasil, é o PBL


Quais as diferenças entre a metodologia tradicional e método PBL? 

Segundo os seus conceptores o método PBL possibilita uma participação mais efetiva dos discentes do que pelo método tradicional que consistia no mero acompanhamento à exposição feita pelos professores. Pelo PBL, os professores portam-se como tutores ou facilitadores de grupos que se criam entre os estudantes, assim o contato entre os dois lados torna-se mais frequente e aprofundado ao longo de todo o curso. Nas aberturas das tutorias são analisados conhecimentos prévios, discussões sobre o tema, geração de hipótese. Já nos fechamentos o aluno já teve que estudar a fundo e verificar se as hipóteses estavam certas ou erradas, é o momento crítico e reflexivo do aluno. Além disso, os grupos favorecem o desenvolvimento de outras habilidades, como a comunicação, o trabalho em equipe e a solução de problemas.

A Metodologia Ativa é o processo de ensino-aprendizagem direcionado para o desenvolvimento da capacidade do estudante de construir ativamente seus saberes, articulando seus conhecimentos prévios com o estímulo proporcionado pelos problemas selecionados para o estudo. Assim, essa metodologia utiliza dois métodos: a Taxonomia de Bloom, que consiste num ordenamento hierárquico do conhecimento (do menos complexo para o mais complexo) e a Pirâmide de Miller, em que o aluno deve ter conhecimento, aprender a realizar o procedimento, mostrar como fazer e, por fim, fazer. 

Dessa forma, o aluno já no primeiro período possui o contato com a sociedade por meio de experiências nos postos de saúde de atenção primária, um módulo de habilidades de informática para o auxílio na construção de projetos, habilidades médicas nas aulas práticas (como primeiros socorros, aferir pressão) e habilidades de comunicação no aprendizado para a efetiva relação entre o médico e o paciente, e por fim o módulo da tutoria, morfofuncional (microscopia e macroscopia) e conferências. 

O curso de Medicina deve ser desenvolvido em 6 anos distribuídos da seguinte forma: 2 (dois) anos como o primeiro ciclo de aprendizagem básico integrando conhecimentos básicos aos aplicados e aos cenários de práticas relevantes; 2 (dois) anos no segundo ciclo de aprendizagem - intermediário (ênfase nos conhecimentos aplicados) e 2 (dois) anos ou 4 semestres como terceiro ciclo de aprendizagem na modalidade Internato Médico. As avaliações serão realizadas de duas maneiras: formativa e somativa. Na formativa o aluno é avaliado diariamente e o professor analisa onde o aluno está errando para orientá-lo da forma correta, na somativa o professor faz o diagnóstico geral do aluno ao final do módulo ou semestre. 

Há pontos positivos e negativos a respeito do PBL, várias amostras junto aos estudantes feitas nos últimos dez anos apontam uma quantidade crescente de resultados positivos para as competências e habilidades adquiridas pelos estudantes desta metodologia. Dentre estes resultados positivos destacam-se a melhora nas relações interpessoais, a aquisição de competências relacionadas à dimensão social, o lidar com questões éticas, a relação com a atenção primária e o ambiente hospitalar, a promoção e prevenção de doenças e o desenvolvimento de maiores capacidades pessoais pela busca por conhecimento.

Os resultados negativos têm se concentrado em uma menor aquisição de conhecimentos fisiopatológicos e entendimento do processo das doenças. 

Como Bióloga, formada pelo método tradicional, percebi a diferença entre as duas metodologias, pois no início senti muita dificuldade em como aprender a estudar, a discernir entre o que é importante e a organização dos estudos. Porém, o interesse em aprofundar e garantir conhecimento é notório desde o princípio, então indico sim, a todos que desejam o curso de Medicina, a fazerem valendo-se desta Metodologia.



PBL: INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS


O PBL (PROBLEM-BASED LEARNING) foi idealizado pelo psicólogo americano Jerome Seymour Bruner e o filósofo Jonh Dewey. Jerome acreditava que existiam três níveis de representação cognitiva: a enativa, a icônica e a simbólica, as quais em resumo são respectivamente: repetição dos movimentos e ações com objetivo de memorização, observação de imagens para fixação do conhecimento e representação do mundo a partir de símbolos que traduzem o conhecimento somado às experiências vivenciadas por cada um. 

Já o filósofo Jonh Dewey, um dos mais importantes da corrente do pragmatismo( ou instrumentalismo) , se baseia no princípio de que o conhecimento é mais pleno quando associado à prática, já que a teoria só tem sentido se aplicada ao cotidiano. 

O método PBL foi utilizado pela primeira vez na Mc Master University Medical School, no Canadá, na década de 1960) e, posteriormente, na Universidade de Maastrich na Holanda.

A experiência acadêmica teve início no Brasil na Faculdade de Medicina de Marília (SP) e na UEL (Universidade Estadual de Londrina), no Paraná. Hoje muitas faculdades já aderiram o PBL, a saber: Universidade Federal do Amapá, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública- Salvador, Faculdade de Tecnologia e Ciências-Salvador/BA – FTC, Universidade Estadual de Feira de Santana- BA – UEFS, Universidade Estadual de Santa Cruz- Ilheus/BA – UESC, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-Vitória da Conquista – UESB, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - Santo Antônio de Jesus -(BA) – UFRB, Universidade Salvador/BA – UNIFACS, Centro Universitário Christus - Fortaleza-CE – UNICHRISTUS, Universidade de Fortaleza - CE – UNIFOR, Universidade Federal do Ceará- Campus de Sobral - UFC/Sobral, Escola Superior de Ciências da Saúde - Brasília – ESCS,Universidade Católica de Brasília – UCB(Tradicional e PBL), Centro Universitário do Espirito Santo- Colatina – UNESC, Universidade Vila Velha - ES –UVV, Centro Universitário de Anápolis - GO – UniEVANGÉLICA, Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUC-GO, Universidade de Rio Verde - UniRV Aparecida de Goiania – GO, Universidade de Rio Verde - UniRV - Rio Verde/GO, Universidade do Ceuma-UNICEUMA  Universidade Federal do Maranhão - São Luis – UFMA, Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM , Faculdades Integradas Pitágoras - Montes Claros/MG - FIP-MOC, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - Betim/MG – PUCMINAS, Universidade de Itaúna – Uit, Universidade José do Rosário Vellano - Belo Horizonte/MG - UNIFENAS/BH, Universidade Anhanguera-Uniderp - MS – UNIDERP, Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT, Centro Universitário do Estado do Pará - PA – CESUPA, Universidade do Estado do Pará - Santarém/PA – UEPA, Faculdade Santa Maria - FSM - Cajazeiras/PB, Faculdade Pernambucana de Saúde/Recife – FPS, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) - Caruaru (PE), Centro Universitário de Maringá – CESUMAR, Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Londrina - PUC PR, Universidade Estadual de Londrina - PR – UEL, Centro Universitário Serra dos Órgãos - Teresópolis/RJ – UNIFESO, Universidade Iguaçu - Itaperuna/RJ - UNIG/Itaperuna, Universidade Iguaçu -Nova Iguaçu - RJ - UNIG/Nova Iguaçu , Universidade Federal de Roraima – UFRR, Universidade do Extremo Sul Catarinense - Criciúma – UNESC, Universidade do Planalto Catarinense - Lages – UNIPLAC, Universidade Federal de Sergipe - UFS/Campus Lagarto,UFS/Campus de Lagarto, Universidade Tiradentes - SE – UNIT,Faculdade de Medicina de Marília-SP – FAMEMA, Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC-CAMPINAS(PBL+Tradicional), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Campus Sorocaba- PUC-SP(Tradicional+PBL),Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo/SP – UAM, Universidade Cidade de São Paulo – UNICID, Universidade de Ribeirão Preto – UNAERP, Universidade Municipal de São Caetano do Sul- USCS – SP,Universidade São Francisco - Bragança Paulista – USF (Tradicional/PBL).
Site: Escolas Médicas
0