MAIS MÉDICOS E AS LONGAS PERNAS DA VERDADE

Cires Pereira


O Ministério da Saúde acaba de tornar público, nesta quinta-feira dia 09 de abril, que das 4.146 vagas oferecidas na mais recente etapa do Programa “Mais Médicos”, 3.830 já foram ocupadas por médicos brasileiros, uma adesão de mais de 90%. Informou ainda que as vagas remanescentes (316) serão oferecidas para os médicos brasileiros formados no exterior. Muito provavelmente serão todas preenchidas não sendo então necessários médicos estrangeiros nesta etapa.

Nesta nova etapa o governo incorporou ao “Mais Médicos” o “Provab que assegura além dos 10 mil reais de salário mensal um bônus de 10% deste valor ou o auxílio-moradia.

Uma pesquisa feita recentemente pelo IPESPE – Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas e UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) comprovou que 93% dos médicos brasileiros que atuam no Programa estão satisfeitos em participar. É a segunda pesquisa de opinião apresentada pelo Ministério da Saúde sobre as avaliações dos profissionais que atuam pelo Mais Médicos. Ao todo, foram realizadas 391 entrevistas nas cinco regiões do país com médicos do Programa, no período de 17 a 23 de novembro de 2014.

Os Órgãos representativos dos médicos, sobretudo os Conselhos Federal e Estaduais de Medicina, alegavam que se tratava de um paliativo do governo ou mais um programa populista com vistas à vitória do governo nas eleições de 2014. Com toda esta campanha contrária muitos médicos optaram em não aderir e o resultado foi uma baixa adesão dos mesmos. A maioria dos aderentes constituiu-se de médicos estrangeiros, especialmente médicos cubanos, a adesão de médicos brasileiros não passou de 20%.

Os dados publicados hoje constatam o acerto da política do governo para o enfrentamento emergencial de uma das principais dívidas que o Estado brasileiro tem com os cidadãos, a saúde. Colocam em evidência o “senso-comum” forjado pela maior parte da grande mídia e pela maior parte dos Órgãos representativos da classe médica no Brasil. 

A verdade, diziam meus avós, tem “perna longa”, felizmente!!
0