O AVANÇO DOS RADICAIS EM MEIO À IMPOTÊNCIA DOS MODERADOS

Cires Pereira

As atrocidades cometidas pelos militantes do EI (Estado Islâmico) parecem não ter fim. Até mesmo os governos na região, incluindo o famigerado governo sírio de Bashar al-Assad, estão recebendo auxílio das tropas da OTAN, contudo nada parece intimidar os jihadistas do EI.

O governo brasileiro na última Assembléia da ONU considerou que o uso da força não seria suficiente para dissuadir os radicais jihadistas. Na ocasião, Dilma chegou a sugerir outra alternativa, a saber: dialogar com os setores moderados envolvidos em conflitos que tenham como pano de fundo a questão islâmica e/ou Oriente Medio e isolar o radicalismo, dentre os quais o Estado Islâmico

Muitos consideraram a tese do governo brasileiro, incluindo a oposição e a maior parte da mídia nacional, um absurdo. A argumentação, comumente usada por estes, era que "não se deve dialogar com decapitadores". Um argumento que se alinha aos argumentos, historicamente, usados pelos governos dos EUA e de Israel. Esta tática usada pelos americanos e israelenses tem sido pouco exitosa, afinal de contas o terrorismo tem se intensificado. O governo brasileiro não propôs dialogo com "decapitadores", pois os mesmos, em tempo algum, pareceram e parecem querê-lo. Propôs o diálogo com forças moderadas de ambos os lados, entendendo que este é o meio mais adequado para diminuir a força que grupos como o Boko Haram, Al Qaeda e Estado Islâmico demonstram ter.

Não há outro caminho a seguir senão o combate às causas produtoras de fanatismos desta natureza valendo-se de uma agenda e de um comando diplomatísticos como propõe o Brasil.

Alguns lideres mundiais, depois de tantos "murros em ponta de faca" sinalizam, ainda que timidamente, disposição por este o caminho propugnado pelo Brasil.

Caso o "Ocidente" continue com esta estrategia - combate in loco" -, o Boko Haram, o Estado Islâmico e a Al Qaeda continuarão recrutando pessoas no mundo inteiro para as suas ações que tendem a ser mais intensas e frequentes. O mundo continuará inseguro como convém à industria bélica, às seguradoras e aos setores mais conservadores.
Postar um comentário

POSTAGENS MAIS LIDAS

UNESP 2017 RESOLUÇÃO PROVA HISTÓRIA 1ª FASE

"ESQUADROS" DE ADRIANA CALCANHOTO, UMA ANÁLISE

VESTIBULAR UNICAMP 2018 RESOLUÇÃO PROVA HISTÓRIA

ENEM 2016-2 DEZEMBRO RESOLUÇÃO CIÊNCIAS HUMANAS - HISTÓRIA

ENEM 2016-2 DEZEMBRO RESOLUÇÃO CIÊNCIAS HUMANAS - FILOSOFIA