23 de novembro de 2014

VESTIBULAR UNICAMP 2015 COMENTÁRIOS PROVA DE HISTÓRIA 1ª FASE





A prova de história pautou-se pela aferição do conhecimento de história comumente ministrado durante o segundo grau, contudo ficou um pouco a desejar no tocante ao grau de profundidade dos temas que, sendo baixo, compromete a seletividade como precisa ser uma prova de primeira fase. Algumas questões, como as de números 20, 21 e 29, poderiam ser respondidas sem que o candidato tivesse familiaridade com o tema proposto pela questão, logo prejudica aqueles que se esforçaram no aprendizado em História.


Professor Cires Pereira

Alternativa B: O corpo físico sente muito as atitudes do Estado (corpo político). Corpo físico que sente mais ainda quando diante das atitudes de um Estado arbitrário, como o que se constituiu no Brasil entre 1964 e 1965. A música, mesmo tendo sido composta em 1989 (o Estado brasileiro já era um Estado democrático), chama atenção para os resquícios de um Estado ditatorial.

Alternativa A:  John Locke foi o expoente do empirismo inglês no século XVII, que considerava o conhecimento como resultante da realidade empírica, contrariando assim o racionalismo de René Descartes, o qual propugnava o método dedutivo. Locke,  portanto considerava que o conhecimento não era inato e, para tanto fazia-se necessário o método indutivo na produção do conhecimento.
Alternativa A: O texto salienta que um dos critérios mais importantes para o estabelecimento dos casais em Atenas era as origens dos nubentes, estes não poderiam ser de classes distintas, pois conspiraria contra o "status quo", ainda que sob os signos da "democracia ateniense". 


Alternativa C: Enganam-se aqueles que ainda insistem que a Igreja católica comandava a sociedade com facilidade, contra sua autoridade e a doutrina que impunha, a Igreja sempre sentiu-se ameaçada pela presença crescente dos muçulmanos a partir do século VIII no sul do continente e pela permanência de crendices e rituais cultuados pelos europeus no norte como legados das culturas escandinavas. Soma-se a tudo isto a emergência de formas provincianas ou locais de cultos e rituais que, mesmo católicos, desafiavam o comando da instituição.

Alternativa A: Maurício de Nassau, enquanto esteve à frente do comando político  em Pernambuco (até 1744 e não 1745 como salienta a questão) destoou em relação aos outros governos razão de sua disposição em contribuir com a promoção dos artistas e das artes, das ciências e dos cientistas. Nomeado governador, Nassau era holandês, "invasor" e protestante, numa terra de colonizadores católicos portugueses, muitos o via como um protetor numa época de tanta intolerância geralmente associada aos portugueses e católicos.
Alternativa D: O Iluminismo que influenciou  a emancipação das colônias europeias na América, construção dos Estados Liberais no continente. Igualmente, o iluminismo tambem influenciou o conjunto das revoluções burguesas no continente europeu que lutavam contra o Antigo regime, este caracterizado pela sociedade de ordens, pelos privilégios da nobreza e do clero e pelo absolutismo monárquico. Assim os lutadores tinham como objetivo edificar um Estado que fosse capaz de preservar os direitos básicos do indivíduo e da coletividade, dentre os quais a liberdade e a igualdade jurídica, ou seja, todos iguais perante o Estado.

Alternativa C: Os artistas, romancistas e poetas associados ao romantismo brasileiro, sobretudo dos anos 30 e 40 do século XIX,  tinham com fontes inspiradoras a  natureza e as questões sociais e políticas no Brasil. As obras brasileiras valorizavam o amor sofrido, a religiosidade cristã, a importância de nossa natureza, a formação histórica do nosso pais e o cotidiano popular. Como exemplo, pode-se considerar Gonçalves Dias como principal expoente da tendência nacionalista, associado à primeira geração romântica brasileira, que tinha como programa estético o indianismo e a valorização da identidade nacional.

Alternativa B: O Texto enfatiza um dos fatores contribuintes para a mobilização emancipacionista no seio das sociedades africanas e asiáticas que, no início do século XX, encontravam-se tuteladas pelos imperialistas. Ao término da Grande Guerra (como era chamada a 1ª Guerra) os africanos e asiáticos que foram recrutados pelos governos franceses e ingleses pra combaterem os alemães e seus aliados passaram a questionar a "superioridade branca e europeia", tese muito recorrente entre os defensores e teóricos do colonialismo europeu.
Alternativa D: Os militares não teriam ido "tão longe" se não tivessem podido contar com o apoiamento dos setores elitista da sociedade brasileira e sem a  aceitação do governo e dos empresários dos EUA, muitos destes com interesses econômicos no Brasil. Registre-se ainda o envolvimento de  setores médios da sociedade brasileira que se posicionavam contrários à política de João Goulart e que temiam o avanço das esquerdas no Brasil.
Alternativa A: O "Lavrador de Café" de Portinari reconhece ao concurso e a importância do elemento afrodescendente na sociedade brasileira e ainda sugere a importância da economia cafeeira no Brasil na passagem do século XIX para o século XX.

Alternativa D: A primeira lei de Johannes Kepler corrobora com os princípios do heliocentrismo elaborados anteriormente pelo cientista polonês Nicolau Copérnico. Tanto Copérnico quanto Kepler contrapuseram o dogmatismo religioso que vigorava desde os tempos medievais que tinha como principal sustentáculo a cúpula da Igreja Católica Apostólica Romana.
Postar um comentário