FUVEST 2015 1ª FASE: RESOLUÇÃO PROVA DE HISTÓRIA

Cires Pereira
ALTERNATIVA E: Grande parte das riquezas amealhadas no Egito antigo provinha da atividade agrária que para se desenvolver valeu-se de dois fatores: a fertilidade das áreas irrigadas pelas cheias do Rio Nilo e as técnicas concebidas e aplicadas pelos agricultores como se vê nas ilustrações acima.


ALTERNATIVA D: Não se pode, como o texto enfatiza, considerar a realidade político-institucional na Grécia nos "tempos antigos", tendo como parâmetros as concepções sobre Estado e Nação que usamos desde os tempos modernos. Na Grécia as cidades e seus entornos possuíam realidades distintas nos planos social cultural e econômico, logo o ordenamento jurídico-político se pautava pela autonomia entre as cidades, comumente denominadas de cidades-estado como Esparta e Atenas.
ALTERNATIVA A: No contexto do renascimento da atividade mercantil as cidades europeias tornaram-se, desde o final do século X, espaços mais apropriados para o desenvolvimento das atividades econômicas geradoras de lucros sob o comando da atividade mercantil. A elite que se constituiu no interior destas cidades e a conformação de uma fração de trabalhadores livres devido ao avanço do trabalho não servil (autônomo e assalariado) pressionaram para que a hierarquia tipicamente feudal cedesse espaços para a estruturação de uma nova divisão social baseada nesta nova situação econômica. Nestas cidades os setores sociais emergentes, geralmente sob a liderança da nascente burguesia começam a se mobilizar pra que as cidades se desvencilhassem do domínio senhorial e tradicional num movimento denominado "comunal". Era o renascimento urbano.

ALTERNATIVA C: Os espanhóis apropriaram-se de um vasto território nas Américas pelo fato de também terem sido pioneiros nas navegações dos séculos XV e XVI, Nestes territórios usaram em larga escala os nativos que, ao longo do processo de colonização, submeteram-se comumente aos regimes compulsórios de trabalho como a "Mita e a "Encomienda", Nas áreas onde o elemento nativo era rarefeito, usaram a mão-de-obra de origem africana submetendo-a ao regime de escravidão semelhante ao imposto pelos portugueses no Brasil. De fato no Brasil a mão-de-obra foi predominantemente de origem africana ao passo que nas colônias espanholas a maior parte das áreas colonizadas usou-se de forma predominante a mão-de-obra ameríndia.
ALTERNATIVA D:  A charge é uma importante crítica aos lideres da Índia (no alto da árvore se vê uma tensa conversa entre o hinduísta Gandhi e o muçulmano Jinnah) que havia se  emancipado do domínio britânico logo depois da segunda guerra. A maioria da socidade indiana era constituída por miseráveis e divididos em castas que agrava ainda mais as desigualdades econômicas e pela iminência de conflitos internos entre a maioria hinduísta e as minorias, sobretudo pelos muçulmanos.

ALTERNATIVA E: O tabaco na passagem do século XVII para o século XVIII passou a ser produzido no interior da Bahia pelos europeus, era mais uma opção das diversas culturas que se desenvolveram no Brasil colonizado pelos portugueses ainda que o açúcar e a mineração fossem as atividades mais importantes para Portugal e os mercados europeus.

ALTERNATIVA C: A conformação do Estado Nacional brasileiro se deu ao longo de grande parte da primeira metade do século XIX, entre a emancipação de 1822, a regência Pedro I, o período regencial e a reorganização do regime monárquico que novamente consolidou-se com a ascensão de D. Pedro II.  O Livro Memórias de Um sargento de Milícias, publicado no início da década de 1850, é uma narrativa que tem como pano de fundo o processo emancipatório (1815-1822). 

ALTERNATIVA B: Historicamente os indígenas resistiram ao processo de aculturação e antes ao processo sistemático de conquistas perpetradas pelo colonizador europeu. O texto de Carlos Fausto menciona a cultura xinguana que tem vestígios e relato que datam de 500 anos da conquista portuguesa.

ALTERNATIVA A: Os trabalhadores no campo e na cidade intensificaram a luta  contra o Estado ditatorial brasileiro no final dos anos 70. Muito embora tenham os analistas dado ênfase maior às mobilizações dos trabalhadores urbanos pela liberdade e por seus direitos, os camponeses já apresentavam um grau de organização e de mobilização que atemorizavam os governos regionais e nacional e as elites agrárias que por fim organizaram a UDR, numa clara resposta ao movimento dos trabalhadores rurais sem Terra que haviam fundado em 1984 o MST que, até os dias de hoje é a principal organização dos camponeses pela reforma agrária no Brasil


ALTERNATIVA B: Diante das lei que aboliu o tráfico negreiro no Brasil, as elites agrárias se viram ,gradativamente, forçadas ao uso da mão-de-obra livre e assalariada. Recorrendo, sobretudo aos imigrantes provenientes da Europa num momento em que a cafeicultura muito avançava no Brasil, especialmente pela região do Oeste Paulista. Entre 1906 e o início da primeira guerra o desembarque de imigrantes no Brasil foi muito intenso (1 milhão) em razão da política de valorização da cafeicultura pelo governo, como por exemplo o Convênio de Taubaté de 1906.
Postar um comentário

POSTAGENS MAIS LIDAS

UNESP 2017 RESOLUÇÃO PROVA HISTÓRIA 1ª FASE

"ESQUADROS" DE ADRIANA CALCANHOTO, UMA ANÁLISE

VESTIBULAR UNICAMP 2018 RESOLUÇÃO PROVA HISTÓRIA

ENEM 2016-2 DEZEMBRO RESOLUÇÃO CIÊNCIAS HUMANAS - HISTÓRIA

ENEM 2016-2 DEZEMBRO RESOLUÇÃO CIÊNCIAS HUMANAS - FILOSOFIA