' ALÔ, ALÔ MARCIANO" ... SOU DAÍ OU DAQUI ?

MONIQUE MARTINS

Viver numa democracia, entende-se ter liberdade para pensar, questionar, emitir suas opiniões até mesmo mesmo quando não solicitadas. Cada pessoa tem uma maneira muito particular de se posicionar diante cada momento. Nosso posicionamento é um legado histórico de nossas experiências e das relações de conceitos que construímos ao longo de nossa vida.  
Isso me permite dizer que temos pontos de vista diferentes, isto é "cada cabeça, uma sentença", segundo o dito popular. Reconhecer nossas diferenças é o primeiro passo para crescer, mudar, e ampliar nossos conhecimentos, afinal, ninguém quer ser como soldadinho de chumbo num mundo globalizado, em que fazer a diferença pode ser a alavanca do sucesso!  
Nos permita então pensar diferente e agir diferente! As redes sociais estão cheias disso, são um celeiro de opiniões e ideias, umas boas, outras nem tanto, mas tem-se consagrado como espaço democrático de debates acalorados sobre variados temas. Mas é também nelas que se consolida um mecanismo tenebroso, pois sendo espaços livres a violência se apresenta de variadas formas: pedofilia, ameaças, mentiras, intrigas, constrangimentos, ofensas e muito, muito preconceito! É comum nas redes sociais compartilhar algo que outras pessoas gostem, daí curtem fazer comentários elogiosos que para alguns elevam o ego e a auto estima. Entretanto, se for ao contrário, prepare-se: as críticas muitas vezes são cruéis e avassaladoras!  
Tentar manter o nível numa rede social tem sido quase impossível, só sendo mesmo de outro planeta pra não entrar na "pilha" de muitos que debocham, humilham, satirizam e fazem uma verdadeira sessão de execração pessoal.  
Para expor suas ideias nestas redes sociais de forma democrática é necessário ter uma postura equilibrada e respeitosa. Podemos muito bem divergir de outras pessoas, mas devemos fazê-lo de maneira respeitosa, pois trata-se de um espaço adequado para que o contraditório se imponha e, quem sabe, dele apareça uma ideia até melhor do que as que até então se digladiaram.  Deve-se, portanto, evitar comentários carregados de preconceito e de ódio, tão comuns na rede.  
Este é um espaço precioso que pode mudar comportamentos, criar novos conceitos, recriar e resgatar alguns valores há tempos esquecidos, modificar a forma de se comunicar com o outro, estabelecer uma conexão que acrescente algum valor na vida individual e coletiva de cada pessoa.  
Crer na capacidade humana de conviver harmonicamente, apesar das diferenças, não é ser utópico, não é ser de Marte!!!  
Por isso creio, sou daqui mesmo e não de lá!!

Nota do Site:

O texto que acabaram de ler pareceu-me muito pertinente. Um discurso direto e sem meias-palavras de quem suplica pelo "bom uso" das redes sociais. Significa dizer transformar estas redes sociais em espaços de debates, de ensinamento, de aprendizagem. Algumas condições são imprescindíveis: o respeito, a liberdade e a predisposição para convencer ou ser convencido, ou não! 

Na canção "Alô, alô marciano", belamente interpretada por Elis Regina, diz: "Alô, alô marciano aqui quem fala é da terra, pra variar estamos em guerra..." 

Monique, tanto quanto eu, deseja que o debate, quem sabe até construa consensos e, o mais importante impeça as "guerras".          

 Bravo Monique, bravo!!!

1