19 de abril de 2014

RESOLUÇÃO DA PROVA HISTÓRIA 2ª FASE U.F. GOIÁS VESTIB. 2014

Cires Pereira - Dezembro de 2013

 

A seguir as questões discursivas por mim respondidas de História da 2ª fase do Vestibular UFG O equilíbrio, a grau  de profundidade das questões  e a clareza das indagações marcam a segunda fase da UFG. Uma prova irretocável, pois exploram o aprendizado dos vestibulandos sem perder de vista o imperativo de uma leitura que leve a uma compreensão dos textos e das demandas.



 Resposta Questão 7

A) O texto de Boccaccio sobre a "peste negra" salienta a providência divina como definidora de tudo. Assim Deus castigou parte de suas criaturas por conta de seus pecados. Deus é um Juiz severo e, sendo necessário, inclemente. O texto de Voltaire sustenta uma explicação científica para os fenômenos, pautando-se na argumentação "causa e efeito". O iluminismo a rigor procurava secularizar o conhecimento, ou seja é a razão que haverá de nos proporcionar o esclarecimento do fenômeno abordado, logo distancia-se das explicações dogmáticas impostas pelas autoridades eclesiais.

B) Voltaire, um dos mais significativos pensadores do movimento iluminista do século XVIII defendia a livre concepção e difusão das ideias. Antes disso, em concordância com o racionalismo e com o empirismo, sustenta a necessidade de uma formulação decorrente da investigação científica valendo-se de metodologias que permitem o diálogo entre as variadas concepções já existentes sobre o fenômeno (neste caso, o terremoto em Lisboa no ano de 1755). A ciência, portanto seria uma espécie de guia infalível para a detecção e compreensão da verdade sobre as coisas e os fenômenos.


Resposta Questão 8

A) Princípio da Balança Comercial Favorável: Um dos principais propósitos da intervenção governamental na economia nacional era criar e amplificar os meios que pudessem aumentar o superávit comercial de um país. As autoridades recorriam à redução das cargas tributárias que incidiam sobre a produção manufatureira e a exportação destas manufaturas, ao mesmo tempo em que elevavam a tributação sobre manufaturas estrangeiras para diminuir o volume de exportação. Estimulavam ainda  a entrada de bens primários recorrendo a um expediente fundamental, a conquista e a colonização de territórios extra-europeus, como o americano. Quanto maiores fossem o superávit e os lucros, maiores seriam os investimentos da iniciativa privada nacional e do poder público nacional.

B) A relação entre Metrópole e suas colônias, comumente, era baseada no "pacto colonial" que era imposto pela Metrópole. Os colonos eram obrigados a comprarem apenas da metrópole o que precisavam e o que era vedado produzir, como as manufaturas. Igualmente obrigados a venderem sua produção aos comerciantes estacionados na metrópole por valores predefinidos pelo governo metropolitano. Além do mais, a imagem não expressa isto, a tributação sobre as atividades coloniais e sobre o comércio, geralmente elevada, imposta pela Metrópole.


Resposta Questão 09

a) No primeiro texto é feito um juízo incisivo sobre a condição dos africanos e seus descendentes no Brasil do período colonial até o tempo presente. Sustenta a tese de uma opressão recorrente sobre os mesmos  mantendo-os sempre excluídos. No segundo texto verifica-se um esforço do autor em indultar o sistema que impôs aos negros esta condição de excluídos, no lugar de violência a coexistência harmoniosa entre brancos, negros e mestiços.

B) A principal  argumentação dos que se posicionam em defesa das cotas para os afro-brasileiros (1º texto) tem sido a opressão branca sobre a maioria negra ao longo da história que proporcionou uma exclusão estrutural. A estimulação pelo poder público ao instituto da escravidão ao longo dos períodos colonial e imperial associada à complacência e leniência do poder público ao longo período republicano com a discriminação e com a exclusão dos afrodescendentes provocaram uma dívida importante da sociedade e do Estado com a grande fração de afrodescendentes no Brasil impõe tanto a sociedade quanto ao Estado a reparação desta exclusão, um primeiro passo seria uma reserva de vagas para as escolas, o serviço público, etc.

O segundo texto ao não reconhecer um passado e um presente de opressão e exclusão, sustenta que não caberia à sociedade e ao Estado o ônus desta reparação. Geralmente os contrários à política de cotas entendem que sua aplicação provocaria um dano tanto na qualidade dos serviços públicos quanto no avanço escolar, pois ignora um critério fundamental, o mérito.




Resposta Questão 10

A) O uso da força sem amparo legal: Considerando as dificuldades e a omissão do Estadp Brasileiro na mediação dos conflitos agrários, é possível concluirmos que a carta do "cangaceiro" endereçada ao fazendeiro contém uma ameaça, a do uso da força direta, caso  sua reivindicação ou exigência não seja atendida.

B) A fotografia flagra o perfilamento de cangaceiros, todos do sexo masculino, reforça a imagem típica de um país, o Brasil do início do século passado, patriarcal e machista. Comprovando que este machismo não era exclusividade dos extratos mais abastados da sociedade brasileira.

  
Resposta Questão 11

A) As mudanças verificadas na cidade do Rio de Janeiro desde a chegada da família real ao Brasil em 1808. Debret retrata sinteticamente a presença do afrodescendente no cotidiano do Rio de Janeiro. Um afrodescendente que conserva condutas e hábitos africanos, no caso do norte  daquele continente cuja cultura impregnada de religiosidade muçulmana e ao mesmo tempo avanços na arte do diagnóstico e tratamento de enfermidades, neste caso valendo-se de ventosas  muito comum na Àsia e no Norte da África.

B) No texto, o negro é apresentado como se fosse um animal, isto é um ser desprovido de humanidade presente no "branco", para a experimentação de uma nova técnica no enfrentamento de enfermidades.
Na obra de Debret, o negro é apresentado como um ser humano provido de cultura que poderia ser aproveitada para o enfrentamento dos desafios cotidianos, como por exemplo o tratamento de enfermidades tendo por base técnicas desenvolvidas em suas comunidades na África.
 

Resposta Questão 12

A) O muro edificado pelas autoridades alemãs alinhadas com a nomenclatura da URSS tinha como propósito específico evitar a fuga de alemães que residiam no leste para a Alemanha Ocidental, Porem o "Muro de Berlim" transformou-se numa espécie de símbolo que confirmava, desde 1961, a ordem mundial polarizada entre EUA e URSS ou entre o Bloco Capitalista e o Bloco Socialista desde 1945.


B) O que se vê desde 1991 é uma espécie de tombamento do "Muro" pela sociedade com a anuência das autoridades da Alemanha reunificada que além de reforçar a memória, erros e acertos do passado não podem ser ignorados pelo presente, significa também a ideia de liberdade, pois os defensores da reunificação  argumentam que o Muro simbolizava uma divisão compulsória que privavam os cidadãos alemães das liberdades mais elementares. As manifestações inscritas no Muro reforçam a idéia de que a melhor maneira de reforçar a liberdade é lembrando os malefícios do cativeiro.
Postar um comentário