11 de abril de 2014

MIREM-SE NO EXEMPLO DESTES DOIS

CIRES PEREIRA

O amor na sua forma e essência mais sublimes

Cires Pereira – 08 de setembro de 2013

Professor Luiz Ângelo parabéns pra você e muitas felicidades, nesta data querida afinal de contas sua mãe, a moça da foto acima, completa hoje 92 anos.

É isso mesmo, quando nossas mães aniversariam, nós temos que comemorar como se fosse nosso aniversário, é muito bom ser filho. 

Você, meu velho é, tanto quanto eu, um cara muito sortudo.


Como precisamos de nossos pais, como é bom tê-los próximos e como é melhor ainda poder ajuda-los, pois quando os ajudamos estamos nos ajudando, é uma pena que poucos pensam como nós. Luiz, seus pais são pessoas iluminadas, fizeram um cara como você. Disse-lhe um dia destes, ao ver a fotografia de seu pai penteando os cabelos de sua mãe, que é uma cena que todos os filhos deveriam se regozijar. 

Sua mãe provavelmente não entenderá o conteúdo desta carta. Pra que precisaria? Sua mãe prescinde disto, pois em torno dela tem um cara com uma amabilidade, ternura e amizade que a ampara muito bem, não “meu velho”, não falo de você, falo do seu pai. 

Vi seu pai muito rapidamente no máximo umas três vezes, mas é como se o conhecesse a anos, o meu pai parecia muito com o seu. O zelo e a entrega de seu pai no ato de pentear sua mãe, sensivelmente registrados por um fotógrafo parente, não mentem e sintetizam o ser humano que também te fez.

Seu sorriso espelha o bom caráter e a retidão que tem sido com todos os que te circundam, suspeito até que mesmo aqueles que não gostam de você, na verdade acabam gostando. Seus pais ensinaram muito bem a você como se deve conduzir um ser humano, penso que muitos invejam, no bom sentido, você. 

Aproveite meu velho todos os dias que puder passar com os seus pais, pois o legado de seus pais permanecerá e, sabe muito bem disto, tem que estar a altura deste legado para repassá-lo ao Fabrício e ao Henrique. 

Não sei se você fará melhor do que tem feito os seus pais, mas tranquilize-se, pois estou aqui na torcida para que seu esforço hercúleo pelo menos empate. 

Dou-lhe, “meu velho”, a possibilidade do empate, Deus te abençoe.

Para José Fonseca, in memorian.
Postar um comentário