12 de abril de 2014

LAMENTO BORINCANO

 Cires Pereira - Setembro de 2013

Rafael Hernández Marín
Rafael Hernández Marín  nasceu em Porto Rico, uma ilha localizada no Mar do Caribe, no ano de 1891, mas ainda jovem emigrou para os EUA onde viveu até os seus 74 anos. Cantor e compositor concebeu uma das mais belas músicas latinas "Lamento Borincano". Um dos maiores clássicos do bolero latino. No Brasil Caetano Veloso a interpretou com muita propriedade, esta composição consta em seu Álbum Fina Estampa, gravado ao vivo em 1994. Este que é, no meu entendimento, o melhor momento de Caetano como intérprete.



Nos EUA, Rafael Hernandez, "El Jibaro" como era chamado pelos amigos, formou e conduziu um grupo de cordas denominado "Cuarteto Victória". Compôs alguma coisa próxima a 2.000 músicas, tocava vários instrumentos musicais como violão, piano, trompete e violino, além de regente de orquestra.


Seguramente é uma das maiores expressões da música centro americana e caribenha, a maior de Porto Rico. Viveu por algum tempo no México, sua esposa era mexicana, tornando-se também uma espécie de porta-voz da música mexicana. Por quatro anos viveu em Cuba onde regeu a Orquetra do Teatro Fausto na capital da Ilha. A música "El cumbanchero" que ganhou vários arranjos e vários intérpretes. Outra Joia de Hernandez é a música "O silêncio", belamente interpretada por Ibrahim Ferrer e Omara Portuondo no filme-documentário Buena Vista Social Club.

El Jibaro (O Camponês)
Minha preferida é Lamento Borincano, esta composição composta no ano de 1929, ano em que a economia centroamericana começava a sentir os primeiros sinais de retração das exportações para os EUA. Lamento Borincano retrata a vida de privações de um camponês, um jibaro (como os portorriquenhos se referem ao camponês), que se esmera inutilmente em vender suas mercadorias na feira da cidade. É uma síntese da condição dos pobres camponeses de "Boriquen", nome anterior de Porto Rico, Rafael Hernandez a compôs quando já residia nos EUA. Antes de Rafael, outro portorriquenho, o médico e poeta Manuel Alonso,  escreveu e publicou, em 1845, um conjunto de poemas retratando o cotidiano miserável dos jibaros (camponeses).


Acompanhe a bela interpretação de Caetano Veloso 

Acesse



Lamento Borincano 

Sale loco de contento con su cargamento para la ciudad, ay, para la ciudad 
Lleva en su pensamiento todo un mundo lleno de felicidad, si, de felicidad 
Piensa en remediar la situación del hogar que és toda su ilusión, si 

Y alegre el jibarito va pensando así, diciendo aí, cantando así por el camino: "Si vendo toda carga mi Dios querido, un traje a mi viejita voy a comprar" 

Y alegre también su yegua va al presentir que su cantar es como un himno de alegria. 
En esto le sorprende la luz del día 
Y llegan al mercado de la ciudad 

Pasa la mañana entera sin que nadie quiera su carga comprar, ay, su carga comprar 
Todo, todo está desierto, el pueblo está muerto de necesidad, ay, de necesidad 

Se oye este lamento por doquier 
En mi desdichada Borinquen, sí 
Y triste el jibarito va 
pensando así, diciendo así, llorando así por el camino: 
"que será de Borinquen, mi Dios querido? Que será de mis hijos y de mi hogar" 

Borinquen, la tierra del Edén 
Y que al cantar el gran Gautier llamó la perla de los mares 
Ahora que te mueres com tus pesares 
Déjame que te cante yo también
Postar um comentário