CRUZEIRO TRI CAMPEÃO BRASILEIRO

Cires Pereira 10 de novembro de 2013

Meus heróis são "seis" cruzeirenses que são tão bons que conseguem jogar por onze jogadores, são eles: o Fabio Ceará, o Leonardo Dedé, o Lucas Egídio, o Nilton Borges, o Dagoberto Goulart e o Éverton Ribeiro.

Estarão vestidos com uma camisa azul que carrega há muitos anos o "Cruzeiro do Sul", as cinco estrelas que são vistas de qualquer parte da face da terra. Isto mesmo, nosso time tem um outdoor gigantesco que sempre pode ser visto a noite desde que as nuvens não atrapalhem. Todos olham sempre para o alto para admirarem o "Cruzeiro", olhando a partir das terras "geraes" este céu, que tem cravado no coração o Cruzeiro do Sul, é adornado no canto inferior por nossas belas e sinuosas  montanhas.


O Mineirão haverá de ser palco de uma catarse azul que começa às 17 horas, não tenho dúvidas sobre a vitória celeste diante do tricolor gaúcho, mas tenho dúvidas quanto ao triunfo ou empate do tricolor paulistano sobre os rubro-negros paranaenses. De qualquer modo podemos nos dar ao luxo de nos sagrarmos campeões a conta gotas. Particularmente seria um privilégio ver (literalmente) meu time campeão do Brasil no Gigante do Sabiá em nossa Uberlândia. Uma ironia do destino, pois isso poderá acontecer em razão de uma punição ao Cruzeiro devido à uma briga entre alguns torcedores num jogo passado.

Mas o que importa é que há dez anos não sentia a alma lavada, meu time o Celeste das Geraes ou o Cruzeiro das Minas no topo do futebol brasileiro. A campanha de 2003 foi impressionante, mas esta além de impressionar foi surpreendente  não pelo o que o Cruzeiro fez, mas sim pelo que os outros times não fizeram. 

O fato é que o Cruzeiro não tem deixado os seus rivais jogarem. Nosso meio de campo tem frustrado muitas jogadas inimigas, nossa defesa tem sido muito segura e confiável e o nosso ataque, ah o nosso ataque tem produzido jogadas espetaculares que tem deixado os times intimidado e inseguros pra avançarem. Mas o ponto alto de nosso ataque tem sido a grande quantidade de gols, muitos deles absolutamente belos. 

Não posso dizer que nosso time tem um jogador que se destaca, não serei injusto com os demais, tampouco com os que ficam na reserva, mas tenho que admirar as pinturas de gols de Éverton Ribeiro. Aquele contra o Flamengo pela copa do Brasil, jamais esquecerei. Mas o melhor e mais bonito foi o do Nilton contra o Botafogo, um gol de sem pulo e na raça.

Ao maior de Minas, ao melhor do Brasil, meu muito obrigado pelas alegrias proporcionadas ao longo deste ano.

0