CARTA PARA GABRIEL E VITÓRIA

Cires Pereira - 11 de novembro de 2013


Você, Gabriel, é um filho bem educado e cria de um filho de Santo Inácio lá pelas bandas de Coromandel. Dizem por aí que eu também sou “um filho bem educado” e, como você, sou também cria de um filho das “macaúbas” lá pelas bandas de Patrocínio. Duas belas regiões da nosso igualmente belo Alto Paranaíba.


Temos, portanto, “pedigree altoparaibano” e somos “pereira”. Não sei quanto a você, mas sempre traio as peras com as maçãs. Sou um louco por maçãs, caso também seja, logo logo vai voltar a sentir o seu sabor, assim que se livrar destes medicamentos que lesa muita coisa, incluindo o nosso olfato. Lamento muito que você não tenha compreendido bem a arte do futebol, do contrário seria, como eu, um autêntico cruzeirense. 

Após ter vivido intensamente um terço de sua vida, começa hoje o segundo terço desta que, agora com “sangue novo” continua com a mesma “alma”.

Creio que você não tenha ideia o quanto foi importante para muitas pessoas, o quanto que a sua luta pela vida tornou-se uma referência de como devemos lutar pelas nossas. Muitos, diante de sua “guerra particular” e, parafraseando Paulo Vanzolini, “levantaram sacodiram a poeira e começaram a dar a volta por cima”.

Vitória chegou sem pedir licença e refugiou-se em seu corpo, portanto cuide bem dela. Ela é uma espécie de 2ª mãe. O amor recíproco entre mãe e filho é um sentimento inato que ao longo da nossa vida precisa sempre de cuidados. Esta guerra que você teve que enfrentar talvez não tivesse sido tão bem enfrentada se não tivesse podido contar com duas guerreiras guardiãs, sua mãe e sua esposa. 

Mais do que o altruísmo (generosidade) que move condutas, como moveu as condutas de sua mãe e de sua esposa, o amor que elas sempre nutriram por você foi e continuará sendo tão imprescindível quanto sua nova amante, a vitória.

Sabemos que as doações de sangue, medula e de órgãos em geral é o primeiro passo para uma verdadeira cruzada pela vida, pela salvação de vidas alheias. Você que decentemente empunhou esta bandeira começa a ser recompensado, sua história está tendo um final feliz, muitos como você nem tanto. É por isso que todas as pessoas que nos escutam e, neste caso, nos "lêem" não poderiam baixar a guarda. Mais do que continuar, temos que impulsionar as campanhas de doações de sangue, de medula e de órgãos em geral. 

Peço que todos procurem saber como são os procedimentos para fazer uma doação, que procurem imediatamente um Hemocentro e, caso não tenha em sua cidade, recorra à um posto de atendimento médico mais próximo. Viva a vida!

Nas minhas orações para que você enfrentasse com êxito este novo capítulo de uma guerra que acabará bem, supliquei aos nossos pais, que já se foram, para que procurassem usar a esperteza típica dos mineiros altoparaibanos para que Deus desse uma atenção especial a você no dia de hoje.

Bem, meu irmão Gabriel, parece que tanto a infinita misericórdia de Deus quanto a esperteza de nossos queridos e saudosos pais foram comprovadas. Por fim não se esqueça de cuidar bem de "vitória" tanto quanto tem cuidado das suas outras amantes, sua mãe e sua esposa.
0